26 outubro 2006

Grandes momentos dos quadrinhos (1)

Vou númerar este tópico, porque vai ter muita coisa pra postar aqui, aos poucos. Vamos lá.

Retirado da história O que aconteceu com o Homem de Aço?, com roteiro de Alan Moore, publicada em Superpowers #21 (Editora Abril), republicada como Super-Homem: O Adeus (Opera Graphica) e que voltará a sair no aguardado especial com histórias de Moore, pela Panini Comics.

Super x BizarroEm determinado momento da trama, Super-Homem encontra seu “oposto”, o Bizarro, que está provocando destruição e machucando pessoas. O estranho ser afirma ao Homem de Aço que, por ele ser uma réplica imperfeita do Azulão, queria agora passar a ser uma duplicata “imperfeita perfeita”.

Para tanto, se o planeta do Super explodiu por acidente e ele chegou ao planeta Terra quando bebê, Bizarro explode o próprio mundo de propósito e chega a Terra já adulto. O Super preza a vida? Então, Bizarro provoca muitas mortes.

Por fim, o Super está vivo... Bizarro conclui que ele próprio deveria estar morto! Ele localiza Kriptonita Azul e se suicida.

Bizarro morre enquanto balbucia “Olá, Super-Homem! Olá!”.

Sensacional.

Coisas de Alan Moore!

3 comentários:

Diego Aguiar Vieira disse...

A primeira vez em que tive a oportunidade de ler essa história, foi na semana em que saiu o primeiro teaser do novo filme do azulão.
Com a música de John Williams ao fundo, mais a voz do Don Corleonne em pessoa, e aquela profunda sensação de que algo grandioso e mítico estava por vir, joguei toda a minha opinião sobre o Super-Homem pela janela (opinião essa, muito influenciada pelo Cavaleiro das Trevas de Frank Miller), e percebi que o herói era, sim, o maior.
Essas páginas de Moore mostram não só o respeito do autor pelo personagem, mas também nos dá uma mostra de que, antes de escritor de quadrinhos, como o Moore bem dizia em monstro do Pântano, ele é mesmo, um belo poeta.

Há um ponto divertido nessa história, que pouca gente parece ter notado. O filho de "Jordan Elliot" e Lois, se chama Jonathan em homenagem a alguém que já se encontrava morto há muito tempo na cronologia pré-crise. Mas na primeira vez em que vemos o garoto, é quando ele está acordando, e seu pai diz: Aqui está o Joohnyy!, que em inglês é: Here's Joohnyy! Frase proferida por Jack Nicholson em O Iluminado, que ele também havia citado em uma das histórias de Monstro do Pântano.
Ademais, essa história tem momentos incríveis, e, definitivamente, é altamente recomendada.
Eu, por exemplo, já estou por aqui, vendendo cacarecos afim de arrumar uma grana pra esse Essential que a Panini tá pra lançar, porque, sem sobra de dúvidas, sempre vai valer a pena!

alexandre ribeiro disse...

alan moore é massa.
o naranjo tem razão em todo o seu texto.

achei muito boa também a caracterização feita pro mxypltk, quando ele resolve finalmente mostrar a sua verdadeira identidade.

foi um argumento adulto e violento. claro que não ultraviolento como os de garth ennis, mas bem próximo dos argumentos que alan moore fez pro monstro do pântano.

Marcelo Naranjo disse...

Alexandre e Diego, é por ai mesmo. O bacana (e o contraste) fica por conta do desenho clássico, acompanhado de argumento inesperado, seguido de um final que seria tradicional em qualquer HQ da Era de Prata do Super... menos nessa!
Abraços