15 junho 2007

Mais três Tintim saindo do forno

Há uns quatro anos, prestei uma consultoria para uma editora (cujo nome, obviamente, não revelarei) e indiquei dezenas de materiais de quadrinhos. Quando viu Tintim na lista, a pessoa disparou: "Ah, mas isso é datado, ultrapassado!". E de nada valeram meus argumentos de que ela estava equivocadíssima.

Pois, um tempo depois a Companhia das Letras resolveu republicar toda a série e... adivinhe! Sucesso de público e crítica. Os belos álbuns, muito bem editados, trouxeram de volta antigos leitores e conquistaram novos fãs.

Em menos de dois anos (a coleção começou em novembro de 2005), a editora já lançou nove álbuns da criação máxima de Hergé. Em julho vem mais três: As 7 Bolas de Cristal, O Templo do Sol e Tintim no País do Ouro Negro, cada um com 64 páginas e custando R$ 34,50. Mais perto do lançamento, soltaremos a nota no UHQ, mas, por enquanto, curta as capas.

As Sete Bolas de Cristal O Templo do Sol Tintim no país do Ouro Negro

Ah, e para outubro está programado outro lote de álbuns. Fico imaginando se a pessoa que me disse aquilo está acompanhando esse êxito...

11 comentários:

Amalio disse...

Aposto que se você tivesse falado que ele era um mutante depressivo que tinha o poder de descobrir segredos ocultos através da telepatia e que o visual retrô era um resgate do c!@#$%ö a quatro ela tinha aceito a idéia na hora, hahaha!!!

Sidney Gusman disse...

Acho que não, Amálio. O foco era material para livrarias mesmo. Por isso que achei mais absurdo o comentário (e a decisão) da pessoa.

Abraço

Amalio disse...

Então, como dizem por essas bandas, o trem foi bruto!

Eduardo Nasi disse...

melhor assim: ficou pra companhia das letras, que está fazendo um trabalho muito acima da média.

Pedro disse...

Acho que sei a que editora o Sidão se refere, e essa seria mais partidária de materiais alternativos "cabeça" e nunca toparia um Tintim. Azar dela!

Tintim é sucesso de crítica no mundo inteiro e a base de TODA a indústria de quadrinhos europeia. Há provavelmente mais livros escritos sobre ele do que qualquer outra HQ do mundo. Só eu tenho mais de dez! Quer algo mais "cabeça" que isso?

Agora, quando alguém terá a ideia "inovadora" de trazer Lucky Luke e Mortadelo e Salaminho de volta? É o que falta para os álbuns europeus de minha infância voltarem todos para as livrarias...

Hunter (Pedro Bouça)

PaiÉQuemCria disse...

Boa noite, Sidney.

Tenho tentado, sem sucesso, enviar uma mensagem ao UHQ, sugerindo que vocês adotem uma newsletter ou o RSS como formato de divulgação de conteúdo, tanto das resenhas quanto dos artigos.

O Fanboy (http://www.fanboy.com.br) já adotou a ferramenta (é gratuita, consulte seu Webmaster), e criou 2 feeds, um para resenhas e outro para os artigos.

Desculpe-me pelo "local", para entrar em contato com vocês, mas os emails que vocês disponibilizam no site tem retornado, sem completar a "entrega".

Obrigado pela atenção!!

Sidney Gusman disse...

Hunter, chutou errado! É uma editora bastante tradicional. :-)

Paiéquemcria, estamos estudando mudanças que incluem o RSS.

Guilherme Kroll disse...

Pior, essa editora está se remoendo por não ter pegado Tintin, pode ter certeza, Sidão.

Pedro disse...

Quem dera, mas lamentavelmente minha experiência me diz que todo editor de quadrinhos acha que está sempre certo e nunca se arrepende de suas decisões.

Se era uma editora "de verdade" (ou seja, uma editora de livros que também publica HQs) talvez tenha se arrependido, mas uma editora de quadrinhos "pura"? Nunca!

Hunter (Pedro Bouça)

Sidney Gusman disse...

Hunter, era uma "de verdade". Grande!

Quanto às pessoas que trabalham nas "puras", infelizmente, você está certo.

Pedro disse...

> Hunter, era uma "de verdade".
> Grande!
>

Então é bom que os chefes do cara que recusou não saibam disso... ;-)

>
> Quanto às pessoas que trabalham
> nas "puras", infelizmente, você
> está certo.
>

Já conheci tantos... :-(

Depois vão à falência e não sabem porquê.

Não por acaso, todas as grandes editoras de mangá japonesas são editoras "de verdade" que também editam quadrnhos. No ocidente a históris é bem diferente...

Hunter (Pedro Bouça)