19 junho 2007

Esses heróicos jornalistas sem ética

Um tempo atrás, postei aqui minha primeira matéria publicada sobre quadrinhos e prometi pra mim mesmo que colocaria outros artigos quando pudesse. Bem, aproveitando minha participação no programa Observatório da Imprensa hoje, resolvi resgatar uma de 1991.

A página de abertura da matériaNo final de 1990, quando cursava o terceiro da faculdade de jornalismo (Metodista, em São Bernardo do Campo/SP), eu tinha que fazer um trabalho para a disciplina de Ética Jornalística. Como o professor era quadrinhista, o Flávio Calazans, arrisquei: li o código de ética brasileiro da profissão e analisei alguns jornalistas das HQs segundo suas normas. E mostrei o quanto eles os infringiam.

Sobrou pra vários famosos: Clark Kent, Peter Parker, Tintim, Billy Batson, Donald, Peninha, Vic Sage (o Questão), Benevides Paixão (do Angeli), J. Jonah Jameson, Peter Sands (que escreveu a biografia não-autorizada de Lex Luthor) e outros. Mas havia também os jornalistas corretos, caso de Ben Urich, que preferiu não revelar a identidade do Demolidor (na época isso era um "furo") para não prejudicá-lo.

E a segunda páginaO Calazans deu uma nota alta e me sugeriu transformar aquilo numa matéria. Foi o que fiz. Então, no ano seguinte, com a velha cara-de-pau que Deus me deu, fui procurar "apenas" a Imprensa, revista especializada em jornalismo, na qual só escreviam feras. Mesmo trabalhando na área desde 1988, era um tiro arriscado. Mas deu certo!

A matéria Esses heróicos jornalistas sem ética foi publicada na Imprensa # 44, de abril de 1991, e gerou dois momentos engraçados.

O primeiro foi quando fui buscar meu exemplar. Assim que entrei na sala, o editor Gabriel Priolli fez uma cara esquisita. A primeira coisa que pensei foi que tinha saído alguma lambança na matéria, mas não. Ele estava lamentando o fato de ter colocado uma "mídia burra" na edição.

Explico: assim que se abria a revista, havia uma mídia de página dupla (segunda capa e página 3) anunciando o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo e, naquele ano, quem foi escolhido como garoto-propaganda? Clark Kent, que dizia: "Libere o superjornalista que existe em você.". Não teria nenhum problema se, algumas páginas pra frente, minha matéria não acabasse com o alter ego do Homem de Aço, ao mostrar as numerosas vezes que ele foi antiético! :-)

A tal mídia burraE o segundo episódio foi quando cheguei à aula e meus colegas de classe (os quais eu não havia avisado sobre a pauta) vieram me cumprimentar pelo artigo. Era uma manifestação sincera mesmo, até que minha professora (não citarei o nome), com cara de poucos amigos, exclamou: "Que absurdo!".

Quando perguntei qual o problema, ela reclamou que o meu crédito (que saiu assim: Sidney Gusman, 24 anos e três de profissão, é redator da Editora Globo e crítico de quadrinhos) não trazia a informação de que eu era aluno da Metodista...

Não deu pra agüentar! Caí na gargalhada e perguntei a ela se foi minha faculdade que foi à sede da revista me apresentar como seu aluno, para que eu conseguisse a matéria. O papo acabou ali.

Esta foi a primeira de uma série de matérias que eu viria a fazer com a intenção de falar sobre quadrinhos para públicos que não eram leitores de gibis. Com o tempo posto outras aqui no Blog.

6 comentários:

Guilherme Kroll disse...

o Sidão e seus comentários sempre sagazes, hehehe. Quero ler essa matéria, dever ser bem legal. Posta no UHQ qualquer dia.

Sidney Gusman disse...

Guilherme, ampliando as imagens dá pra ler.

Mao disse...

Oe, sidney, td bem? bacana essa sua experiencia... nem sabia, se soubesse teria tb pesquisado nela e incluído referências em meu TCC. aliás, faz tempo q penso em publicar em alguma editora... já faz quase um ano que defendi a "tese" e me formei! mas deu um trabalho legal. ah, tem outra pessoa também querendo fazer um trabalho semelhante, mas focando os personagens europeus. Ele se chama Tiago Souza, e aparece aqui: http://www.eca.usp.br/agaque/nucleousp/membros_tiago_souza.asp

Qto ao texto sobre meu TCC, espero que tenha conseguido visualizar, li no blog do Paulo que você não tinha conseguido... De todo modo coloquei lá hoje o link para meu trabalho em versão integral, se interessar. É este aqui: http://www.eca.usp.br/agaque/TCC-MPK.pdf

Como vc comentou que estava com problemas de acesso, uma alternativa é pelo meu servidor: http://kanno.com.br/tcc-mauricio.pdf

Uma pena que não pude assistir ao debate na televisão ontem, só fiquei sabendo disso hoje. Tomara que eu consiga obter uma gravação com alguém depois.

Abraço,
Maurício

Mao disse...

Parece que não estão saindo links no comentário, que chato... Vamos tentar forçar os links aqui: http://www.eca.usp.br/agaque/nucleousp/membros_tiago_souza.asp

http://www.eca.usp.br/agaque/TCC-MPK.pdf

http://kanno.com.br/tcc-mauricio.pdf

e vou aproveitar pra recolocar aqui o link que o paulo passou, em que coloquei o resumo-conclusão de meu TCC: http://www.eca.usp.br/agaque/nucleousp/noticias_reuniao_08_06-tcc.asp

Mao disse...

aliás, eu na verdade não tinha reparado tanto assim nessa questao de jornalistas sem ética... procurei analisar cada aspecto dos personagens jornalistas da maneira mais imparcial possível. peguei inclusive outros personagens jornalistas nas tramas.

foi o Paulo que acabou por me dizer que deixei sugerido demais, que poderia ter enfatizado mais fortemente a questão da falta de ética que você destacou mais fortemente em seu artigo.

Sidney Gusman disse...

Maurício, assim que cheguei em casa fui conferir o link que o Paulo deu no Blog. Mas vou ver o trabalho na íntegra, sim.

Essa matéria que fiz pra Imprensa, na verdade, trazia uma versão resumida do trabalho feito pra Metodista. Tive que enxugar um bocado, mas mesmo assim valeu.

E é compreensível que você não a conhecesse. Afinal, ela é de 1991. Tô velho! :-/

Se o Tiago precisar de ajuda para os jornalistas dos quadrinhos europeus, pode dizer que estou à disposição.

Abração