24 setembro 2007

O que estamos lendo... na Europa

Agora eu mato os meus amigos do UHQ do coração. O Codespoti no Blog? Mas assim, de repente, sem avisar?

Vamos lá...

Da série O Que Estamos Lendo enquanto deveríamos estar fazendo alguma outra coisa:

Sete Psicopatas, de Fabien Vehlmann e Sean Phillips, é uma espécie de Os 12 Condenados (lembra deste filme?) contra Hitler.

Um coronel do exército inglês recruta, em 1941, sete loucos (o louco é o coronel que vai recrutar o pessoal nos hospitais psiquiátricos) para um comando cuja missão é assassinar Hitler. Basta dizer que os seis homens e uma garota são lançados de pára-quedas sobre a Alemanha, com resultados imprevisíveis. Claro, são todos pinéis de babar e de deixat até o Coringa com inveja. Bem divertido.

O álbum é bem bonito (capa dura e papel couché de boa gramatura).

Publicado pela Delcourt, faz parte de uma série de sete. Aliás, sete de tudo: Sete Psicopatas, Sete Ladrões (é o segundo volume da série - cada um com um equipe de escritor e artista diferentes - mas não curti a arte), Sete Guerreiros, Sete Piratas, Sete Prisioneiros, Sete Missionários e, para finalizar, Sete Yakuzas!

A arte de Phillips está incrível. Este desenhista está passando por uma ótima fase na Europa continental (às vezes, acho que essa expressão foi criada por um francês que queria excluir um inglês, como Phillips, da conversa: "Você não é daqui, é da ilha! Nós somos do continente...").

Além deste álbum, a Delcourt também publicou o primeiro volume de Criminal; a Panini lançou Marvel Zombies; e a revista DBD, especializada em quadrinhos, publicou um longo artigo sobre sua carreira e crítica de seus lançamentos recentes.

O encadernado francês do primeiro arco de Ed Brubaker e Phillips em Criminal, só peca porque não traz os excelentes artigos sobre cinema e literatura que são publicados nas revistas norte-americanas. Mas, fora isso, como quase tudo por aqui (França - Bélgica - Luxemburgo), o volume tem capa dura e foi impresso em couché fosco.

Nada como uma boa leva de quadrinhos para me ajudar com o aprendizado do francês.

11 comentários:

Marcus Ramone disse...

Quem é você e o que fez com o nosso amigo Sérgio, seu impostor? :-)

Wagner disse...

Sérgio, posso estar enganado, mas nenhum dos encadernados de Criminal vai ter o material extra que aparece na série mensal. É estratégia dos autores, que querem que o público valoriza mais esse segmento, e pare de dar tanta atenção às coletâneas, as famosas TPB.

Matt Fraction, com seu Casanova, segue a mesma estratégia.

Sidney Gusman disse...

Ramone, quem é esse cara que postou no nosso Blog?

O Sérgio não tinha sido abduzido? :-)

Sérgio Codespoti disse...

Wagner, o seu comentário está absolutamente correto em relação às edições americanas, mas não sei se se aplica ao material da Delcourt.

Existe outro contrato e as editoras estrangeiras tem que pensar no público, que é diferente. Afinal, na França muitas revistas americanas só saem encadernadas e não são lidas mensalmente como na América.

Aqui não existe o problema dos leitores não comprarem a revista mensal para ler o encadernado como ocorre nos EUA.

Pode ser que exista um problema com os copyrights dos textos ou coisa parecida. De qualquer modo, é uma pena, pois os textos de Criminal são quase tão interesantes quanto a história, que é ótima.

Sérgio Codespoti disse...

Ramone e Sidão...
Impostor e abduzido. É Mole?
Estou aqui na espaçonave Zooropa, onde o preço do bife equivale a um álbum capa dura, de olho na temperatura (a mínima esta semana vai ser de 3 graus) e fazendo uns disparos ocasionais (e quem sabe mais frequentes) de revistas do velho continente.
Abs.

korak disse...

ahhhhhhh, isso sim que são edições dignas de se ter na coleção.

Cada vez mais a França e seu modo de "ver" os quadrinhos me fascina.

Sérgio, tem edições de ken parker por ai?
preço de cada album?

Encontra em sebos (existe isso por ai né?)

Ahhhh eu tenhoq ue sair daqui... (risos...)

e-mail; pimenta_aps@hotmail.com

Sérgio Codespoti disse...

Korak,

Aqui em Luxemburgo (e regiões próximas da França, Bélgica e Alemanha) não encontro com facilidade materiais italianos nem espanhóis. Existe uma variedade gigantesca de HQs franco-belga e o mercado local é muito forte.

Ainda não vi um Ken Parker por aqui. Mas encontro fácil, Hugo Pratt, Manara, e até Serpieri em francês.

De vez em quando vejo um Diabolik numa banca de revistas.

Esta semana achei o volume 3 de Vampire Boy, do Carlos Trillo/Eduardo Risso, traduzido em francês. Acho que este material foi produzido originalmente no mercado italiano.

Quanto aos sebos eles não são tão necessários. Qualquer livraria traz quadrinhos e geralmente eles tem um estoque imprsionante de álbuns.

Por exemplo, é possivel comprar num supermercado daqui cerca de mais de 800 títulos em capa dura, incluindo todos os Tintins, Asterixs, XIIIs, Largo Winch, Escorpião, etc...

As livrarias tem bastante material antigo, e nas frequentes feiras de quadrinhos, é possível comprara coisas de até 50 anos atrás, muitas vezes por preços razoáveis.

Claro que edições originais antigas e famosas custam o preço de um carro novo.

Pedro disse...

Korak, na França saíram recentemente dois álbuns do Ken Parker, os mesmos que eu estou comprando para você aqui em Portugal. A série já tinha sido publicada em gibi (como Long Rifle na antiga revista Mon Journal), mas esse material é raro e a edição é pobre demais para compensar a procura.

Os TPBs americanos de Criminal são TOTALMENTE privados de extras. Não há nem as capas originais! É um pouco irritante, mas não chega a ser um problema.

Sete Psicopatas é brilhante! Eu quase chorei de rir quando eles invadem AQUELA sala (você sabe qual!). O Sean Phillips tem algumas páginas nos arquivos do blog dele:
http://surebeatsworking.blogspot.com/

E falando em blog, o desenhista do terceiro álbum (que é Sete GuerreirAs, não guerreiros!), o filipino Francis Manapul, também tem páginas no dele. Vejam em:
http://manapul.blogspot.com/

O Sete Ladrões, por sinal, é feito pela mesma equipe do Arthur que a Ediouro publicou no Brasil, mas deixou a meio...

Por fim, quem gosta do termo Europa Continental são os próprios ingleses imundos! Aliás, a maior parte deles chama o continente só de Europa mesmo. São ELES que se excluem do resto! Acho até que só entraram na União Européia para sabotar tudo por dentro a serviço dos americanos!

Mas um dia nós conquistaremos aquela ilha novamente, como nos bons e velhos tempos do Império (o romano). A primeira medida será executar todas as pessoas feias (só 99,99999999999999999999999% da população inglesa...).

Hunter (Pedro Bouça)

Sérgio Codespoti disse...

Pois é, Hunter, curti bastante Os Sete Psicopatas. Muito bom. Mas, como disse, não me entusiasmei com o desenho de Os sete Ladrões (nem com Arthur).

Qualquer hora destas eu perco a implicância e descubro estes livros.

Valeu os toques.
Abs.

korak disse...

Valeu Sergio pela informação.
E valeu Pedro.
Se as edições Portuguesas são melhores, deixa as francesas pra quando a grana tiver melhor por aqui!

e como é que vc sabia que korak era eu???
(risos)

Abração.
Fui que vou ali dar uma de Dylan Dog (risos)

Pedro disse...

Na verdade, para esses álbuns específicos as edições francesas são melhores (primeira lei dos quadrinhos: As edições francesas são SEMPRE melhores!), mas o gibi propriamente dito do Ken Parker dos anos 70/80 era podre!

Agora, as edições portuguesas são boas. E bem mais baratas com os descontos atuais! Além de que eu penso que seu francês não é exatamente fluente. ;-)

E como eu sabia que era você? Elementar, meu caro Lucas, você SEMPRE assina como Korak em tudo que é fórum - e não há dois caras no mundo que ainda lembram desse personagem. :-))))

Um abraço,
Hunter (Pedro Bouça)

P.S.: Ainda não arrumei seu segundo álbum. O festival da Amadora começa mês que vem, se eu não arrumar até lá eu com certeza encontro no festival!