04 outubro 2007

O que estamos lendo... na Europa (6)

Cinco biografias importantes: Renné Goscinny, Albert Uderzo, Hugo Pratt, Milton Caniff, Jack Kirby.

René Goscinny, de Caroline Guillot e Olivier Andrieu é um volumão de 244 páginas, capa dura, no formato 24 x 35 cm, publicado pela Éditions du Chêne (da Hachette Livre). Como comprei numa feira de quadrinhos o livro veio sem a sobrecapa, mas paguei apenas € 10,00 (R$ 25,80), aproximadamente 20% do preço das livrarias.

O livro conta a história da vida de Goscinny, um parisiense nascido em 1926, mostrando seus principais trabalhos (Le Petit Nicolas, Lucky Luke, Iznogoud e Asterix), sua parceria com Uderzo, até sua morte, em 1977, e o impacto na França, com as manchetes dos principais jornais.

Caricaturas, detalhes de quadrinhos e fotografias, muitas vezes de página inteira, ilustram o volume.


Uma curiosidade são as fotos de algumas páginas de roteiros datilografados de Goscinny (como, por exemplo, o primeiro encontro de Lucky Luke com os irmãos Dalton). Ele dividia a folha em duas colunas, colocando as descrições dos quadros à esquerda e os textos e diálogos à direita.

No mesmo formato da biografia de Goscinny, Albert Uderzo, de Alain Duchêne, só difere do anterior na qualidade do papel, um couché mais refinado.

O livro traça a história de um sujeito que queria fazer graça desde a infância. Alguns dos momentos importantes em sua carreira estão lá: além do encontro com Goscinny, o período que passou na Bretanha, durante a Segunda Guerra Mundial e a criação da revista Pilote, na qual surgiu Asterix.


A Bretanha é uma região no noroeste da França, que corresponde à Armórica, na antiga Gália dos romanos, ou seja, é a terra de Asterix.

Quando Goscinny criou o personagem, disse a Uderzo que poderia escolher qualquer lugar da França para situar a aldeia dos personagens, desde que fosse uma região costeira. E foi assim que o desenhista optou pela região onde passou alguns anos discretos, longe da Paris ocupada pelos nazistas.


Fotos raras, esboços e páginas de quadrinhos ilustram o livro, que tem 244 páginas. Paguei o mesmo valor por esta biografia, que também veio sem a sobrecapa.

De l'Autre Côte de Corto - Hugo Pratt - Entretiens avec Dominique Petitfaux é um livro da Casterman, uma biografia no formato de entrevista, publicada originalmente em 1996.

São 230 páginas em couché brilhante e capa dura, que mostram toda a carreira de Pratt, da sua infância em Veneza, passando pela juventude na Etiópia, os anos de viagem, na Argentina e Brasil, até o retorno à Itália.

Além de esboços e aquarelas de Pratt, algumas das imagens mais bacanas do livro são as capas coloridas de Sgt. Kirk, uma raridade para a maioria dos leitores.

O volume termina com um capítulo de bibliografia bastante extenso, citando não apenas os trabalhos de Pratt, mas também livros e artigos de jornais dedicados a ele ou aos seus personagens.

Este aqui já me custou mais caro, € 21,00 (R$ 54,20) e, mesmo assim, saiu mais barato do que se tivesse comprado numa livraria.

A biografia de Milton Caniff é uma verdadeira lista telefônica, com 954 páginas.

Meanwhile... a biography of Milton Caniff foi escrito por Robert C. Harvey e publicado em junho deste ano pela Fantagraphics.

Aqui está um livro absolutamente essencial para quem curte a história dos quadrinhos. Caniff, junto com Jack Kirby e Will Eisner, é um dos autores norte-americanos mais influentes e importantes da nona arte.

Caniff é o criador de Terry e os Piratas, Steve Canyon e Male Call.

Para se ter uma idéia, ele influenciou artistas como Hugo Pratt, por exemplo. John Romita revelou certa vez, numa entrevista, que a idéia de matar Gwen Stacy foi surrupiada de Caniff, que "matou" uma ou duas das namoradas de Pat Ryan, o companheiro de Terry, na tira Terry e os Piratas.


Sobre imagem que mostra o livro aberto, as duas tiras na página da direita, publicadas em 1941, são especiais e mostram a morte de Raven (antecipando uma tendência futura nos quadrinhos dos Estados Unidos, a de matar personagens, mas sem a eficácia da narrativa de Caniff). Esta foi a primeira vez que um artista de quadrinhos publicou uma tira diária de apenas um quadro. Por isso, esta é uma das cenas mais mencionadas nos livros teóricos de quadrinhos.

Milton Caniff inovou e criou inúmeras técnicas da narrativa de quadrinhos usadas até hoje.

O livro é ilustrado com fotos e centenas de tiras, tudo em preto-e-branco. Está disponível na Amazon e, provavelmente, pode ser comprado no Brasil pela livraria Cultura, Devir ou outra que ofereça o mesmo tipo de serviço.

Como você viu, o tamanho deste "tijolo", nem preciso dizer que ainda não terminei de ler. Aliás, este aqui estou saboreando vagarosamente.

Para finalizar, Tales to Astonish, de Ronin Ro, conta a história da carreira de Jack Kirby e, por extensão, de suas parcerias com Joe Simon e Stan Lee.

Publicado pela Bloomsbury, em 2004, é um volume relativamente caro (perto de 25 dólares), levando-se em conta que é um livro no formato tradicional, sem ilustrações. Mas vale a leitura.

É de particular interesse para quem curte a história da Marvel e da DC Comics.

Outra curiosidade no terço final do livro é a presença constante de Mark Evanier (de Groo), amigo de Kirby, que revela muitos detalhes desta fase da vida do desenhista. Evanier lançará em fevereiro de 2008 (originalmente estava previsto para sair no dia 1º de outubro deste ano), a biografia definitiva de Kirby. Este será um livro imperdível.

11 comentários:

Sidney Gusman disse...

Sérgio, me lembre (de novo) de te esganar quando nos virmos! ;-)

Falando sério agora, você comprou os dois primeiros em feiras? Aí na Europa tem sebos?

Abraço

Sérgio Codespoti disse...

Sidney, sebos por aqui eu ainda não vi. Mas a maioria das feiras e festivais de quadrinhos tem um setor de comércio do tipo sebo, onde se compra muita coisa boa e barata, e também é possível encontrar raridades e primeiras edições bem caras.

abraço

Pedro disse...

Não sei no Luxemburgo, mas em Paris eu cheguei a ver um "sebo" de sete (!) andares, a livraria Gibert Jeune, fundada há 120 anos atrás (sério!).

O site:
http://www.gibertjeune.fr/page/public/index.php

Não encontrei ofertas tão fantásticas como as que o Codespoti encontra, mas pude comprar lá um antigo álbum duplo do Zep editado pela Dupuis que está esgotado há uns anos.

O álbum em questão:
http://www.dupuis.com/servlet/jpecat?pgm=VIEW_ALBUM&lang=FR&OUVRAGE_ID=2661

Ele também têm livros novos e,
devido ao tamanho, são uma visita obrigatória para qualquer um que passe pela cidade-luz!

Hunter (Pedro Bouça)

Victor disse...

Sérgio, obrigado pela aula! Eu, um inepto em quadrinhos (menos.. menos...) simplesmente desconhecia a existência de Milton Caniff. Se um dia você quiser contar mais sobre esse autor, ficaremos muito agradecidos!!! (mas quem sabe o Sidão não resolve fazer um interessante artigo sobre esse autor e sua obra para o UHQ? - se é que já não fez e eu não sei!).
Abraço

Victor

Sérgio Codespoti disse...

Hunter,
Excelente dica essa do sebo em Paris! Quando visitar a cidade, vou dar uma olhada. Aliás, vc conhece alguma comic shop em Barcelona?

Não conhecia este álbum do Zep.

Sérgio Codespoti disse...

Victor,

Uma matéria sobre o Caniff está nos meus planos, principalmente sobre a importância de Terry e os Piratas, mas tenha um pouco de paciência porque o UHQ tem outras coisas engatilhadas antes disso.

Enquanto isso, um pouco mais sobre Caniff nestes artigos:

http://www.universohq.com/quadrinhos/2006/n16012006_07.cfm

http://www.universohq.com/quadrinhos/2007/n19012007_09.cfm

Pedro disse...

Conheço não, Sergio. Até andava tentando descobrir porque iam me mandar para lá a trabalho, só que mudaram de ideia...

...e vão me mandar para Paris! ;-)

O álbum do Zep em questão é uma edição "integral" dos outros dois que ele lançou pela Dupuis. São ambos muito bons, um (também publicado em Portugal) fala da experiência dele em shows de rock e o outro mostra um "Zep" adolescente tentando desesperadamente ter sua primeira experiência sexual, mas sem nenhuma sorte com as garotas.

Eu recomendo ambos. Obviamente, se você ainda encontar o álbum duplo, ele é a melhor opção.

Hunter (Pedro Bouça)

Victor disse...

Ainda sobre Terry, em uma feliz pesquisa na Amazon descobri que uma editora americana começou, em agosto desse ano, a republicar, em belos encadernados, todas as tiras de Terry and The Pirates.

Pedro disse...

Não fique tão ansioso. Apesar de custarem cinquenta (!) dólares cada, esses encadernados têm problemas de escaneamento e/ou impressão e mostram as tiras... Pixelizadas!

Não jogue fora seu dinheiro. Espere até sair uma edição decente!

Ou compre os encadernados de Steve Canyon da Checker Books. São do mesmo autor e também têm qualidade dúbia, mas são MUITO mais baratos!

Hunter (Pedro Bouça)

Sérgio Codespoti disse...

Também existe a edição espanhola de Terry e os Piratas, da Planeta de Agostini, em mais de 15 volumes. Tenho um destes volumes e a qualidade é bem razoável. Se bem que algumas tiras me parecem um pouco escuras, com o traço grosso.

Anônimo disse...

Olá amigos,
Sempre importante falarmos e lembrarmos dos grandes mestres que fizeram dos quadrinhos a arte que são! Algo, aliás, que vocês sempre fizeram no UHQ e eu tento fazer agora no maisquadrinhos.blogspot.com
Grande abraço!
Wellington Srbek