24 setembro 2008

O Beco das HQs está de volta!

Enfim, o Beco das HQs está reabertoBom, como você já deve ter visto no Universo HQ, hoje retomamos as colunas opiniativas. E essa volta (pra valer) começou comigo, que reabri as portas do Beco das HQs.

Como no site não há espaço para comentários dos leitores, quem o quiser fazer pode usar o Blog do UHQ.

Abaixo seguem os links pros dois textos que escrevi para esse retorno do Beco das HQs.

O Sonho acabou... mas já está de volta

HQs na rede: divulgação ou pirataria?

25 comentários:

John disse...

Eu estou em processo de leitura com Sandman, só podendo ler bem esporadicamente pois não gosto de ler no computador; quase não li esse texto por medo de spoilers,mas ele revelou ser muito interessante... até o final.

"...uma vez que, na história, quando Lorde Morpheus é morto, imediatamente é substituído por Daniel, uma outra "encarnação" do Sonho."

Valeu aí, véio. Sempre tem que ter spoiler.

Sidney Gusman disse...

John, me desculpe, não atentei para o lance do spoiler, talvez pelo fato de isso estar na net há tanto tempo. Mancada minha!

Mas como sem ele a conclusão do texto não teria sentido, incluí um aviso de spoiler no abre.

Jonatan disse...

Excelentes os seus textos. Tenho toda a coleção de Sandman da Conrad e gostei muito de ler sobre toda a história da publicação pela Globo. E a minha saga predileta é Fim dos Mundos (Estação das Brumas fica em 2°).
Parabéns pela ótima iniciativa de trazer de volta o Beco das Hqs.

john disse...

Belessa, acontece mesmo... Não sabia dessa da morte, mas como tu disse, estar na net há tanto tempo já banaliza o fato. Deve ser como colocar spoilers de Watchmen, pra mim que já li vária vezes é tranquilo, mas pra novos leitores deve ser um porre...

Sidney Gusman disse...

Valeu, Jonatan. Sabe, passe a gostar mais de Fim dos Mundos quando reli o arco, durante o trabalho de adaptação que fiz pra Conrad. É, sem dúvida, uma grande saga!

Abraço

Adilson disse...

Não li o texto sobre Sandman por medo de spoilers, e espero que dessa vez eu possa acompanhar a muito alardeada série.
Já sobre os scans concordo plenamente com você! E duvido muito que esses pilantras que põem scans na rede não tem algum lucro.
E antes de ser apredejado pelos que apoiam essa prática, sou á favor do download de quadrinhos feitos diretamente para esse fim e também de revistas impossiveis de se achar.
Eu confesso que já baixei scans sim, mas da Patrulha do Destino de Grant Morrison que nunca foi publicada por aqui, e dos Novos Titãs depois de comprar os dois volumes dos Novos Titãs reeditados pela Panini, mas como parece que não vem mais por aí, li em scans e estou prester a comprar de um colecionador a série editada pela ABRIL.
O que quero dizer é que nos sites de scans brasileiros, nunca baixo nada pois seu material é sempre muito recente a ás vezes adiante das edições nacionais ( tente procurar uma edição dos anos 80 eu te desafio ) o que é extremamente nocivo ao mercado de quadrinhos, algumas equipes americanas tem a atitude louvavel de não publicarem quadrinhos atuais pois não querem destruir a indústria, se os piratas não tivessem o intuito de destruir a indústria traduziriam scans de hqs não publicadas no Brasil (como a Patrulha do Destino) e não do Wolverine desse mês. O que também mostra como essas pessoas sã boas entendoras de hq, você encontra TODOS os tie-in de Guerra Civil, mas nada de Planetary, Y-The Last Man ou All-star Superman.
Ah! e peço permissão ao Sydão pra fazer propaganda do meu blog no qual não falo de hq, mas faço umas crônicas sobre atualidades e tal http://digadilson.blogspot.com/ .
Um abraço á todos

Fabio disse...

Parabéns pelos textos Sidney, é sempre bom ver colunas com opiniões nos sites e publicações especializadas. Mesmo que você não concorde com alguns pontos, certos assuntos precisam ser debatidos, desses debates sempre podem sair novas opiniões. Muito bom saber um pouco sobre a história editorial de Sandman no Brasil, por favor mande meu mais sincero obrigado ao Leandro Luigi Del Manto pelo esforço, mesmo que eu não tenha acompanhado as publicações da Globo é como você falou, o sucesso de Sandman aqui tem muito do trabalho dele. Quanto aos scans, digo que já li muitos scans que achava que não seriam publicados aqui, mas não tem como negar o fato de que é pirataria e que isso causa danos no mercado, claro que acho que esse é um caminho sem volta, talvez a melhor coisa seria a conscientização mesmo, mas esse é um caminho longo também. Bom parabéns pela volta das colunas e que venham outras.

Sidney Gusman disse...

Fabio, com certeza esse seu comentário vai acabar chegando ao Leandro Luigi.

Adilson, permissão concedida! :-) Visitarei teu blog depois.

A respeito dos scans, como escrevi tenho amigos que baixam HQs na net e nem por isso briguei com eles. Apenas não concordo com a prática. Mas "cada um no seu quadrado". ;-)

Abraço

Guilherme Veneziani disse...

Eu, que ainda não terminei de ler a coleção do Sandman pela Conrad, também estava com medo do spoiler e não li o texto. Contudo, ao ler os comentários, ironicamente acabei recebendo o Spoiler pelo John, que justamente reclamava disso... rs. Tudo bem, coisas da net.

Aliás falando em net, reconheço que já li uns scans de coisas que achava que não sairiam por aqui para ver com era, mas achei muito ruim, os traduzidos então nem se fala...

Sei lá, para ler quadrinho no computador acho que só funcionaria num monitor de 17 polegadas ou maior, a não ser tiras e quadrinhos próprios para isso.

Assim, como foi comentado, no sentido de incrementar o mercado, acho que seria bem interessante que as editoras colocassem à disposição material antigo, ou novo até, para venda na net. Além de formar mais uma nova fonte de receita, contribuiria para uma economia de espaço em prateleiras. ;-)

Enfim, como leitor das antigas, reconheço que não há nada como ler em papel, por mais anti-ecológico que isso possa parecer hoje.

Abraços e continuem publicando artigos opinativos e abrindo espaço para comentarmos aqui!

Muito legal!

Guilherme

Pacha Urbano disse...

Já baixei alguns scans mas nunca gosto do resultado final, principalmente por causa da tradução. É incrível como tem gente que fala e escreve em inglês fluentemente e escreva tão mal o próprio idioma. Acontece a mesma coisa com as legendas das séries que se baixa por aí. Cada erro de tradução de arrepiar os cabelos! Não poderia ser diferente nos scans por aí. Mas realmente é tentador e faz a moral de muito cristão se abalar, principalmente quando sabemos que muito material ali exposto nunca será lançado no Brasil. Sott Pilgrim, por exemplo, era um título que se eu encontrasse pra baixar eu não hesitaria, porque não se sabe do interesse de nenhuma editora brasileira em lançá-lo por aqui. Entretanto, não abriria mão de comprá-lo, porque sou colecionador de quadrinhos. Fiz isso com o mangá GANTZ, e venho comprando sempre que lançam um novo volume.

Victor disse...

Parabéns pelo retorno do 'Beco das HQs', Sidão! E gostaria de pedir que, sempre que vocês colocarem uma coluna lá no site, avisassem aqui no Blog, para podermos comentar o que vocês escreveram por lá.
Não li a coluna do Sandman porque, por incrível que pareça, nunca li o arco final. Estou agora esperando terminarem de publicar lá na gringa a nova encadernação da obra para aí ler tudo de uma vez.
Quanto à coluna dos 'scans', faço coro àqueles que concordaram com o seu posicionamento, e também reforço: além de 'scans' serem sim ilegais, além de prejudicarem sim o mercado brasileiro (colaborando para que os preços dos quadrinhos inclusive permaneçam altos), ler quadrinhos escaneados é muito chato. É como comer bala com papel. Uma vez eu baixei uma versão escaneada do Miracleman. Mas não adiantou: não consegui ler e tive de correr e batalhar para encontra no Mercado Livre (por sorte, bem barato!) a versão original com as revistas do primeiro arco da série. A mídia é diferente: quadrinhos foram feitos para serem lidos em papel, e ponto final.

Sidney Gusman disse...

Victor, toda vez que entrar uma coluna, pode ficar sossegado, vai entrar nota no Blog para os comentários!

Abraço

Jean Carllos disse...

Fala galera! Também vou opinar a respeito dos famigerados scans. Concordo com os pontos apresentados por vc Sidney, é pirataria e crime, quem quiser usar que use, mas saiba que é ilegal. Eu acredito que seria interessante somente manter histórias bem antigas, difícieis de achar hoje, mesmo em sebos. E quanto a ler na tela do computador, realmente cansa, não importa a tecnologia, todas cansam a vista. Sem falar que para ler vc precisa ligar a máquina abrir o arquivo. Material impresso sempre é mais acessível e disponível e possui características únicas, desde aquele cheiro de papel até a textura de uma folha. Parabéns pelo retorno e que venham atualizações!

Abraços...

Anônimo disse...

Sobre os scans:

a)
Há quem diga hoje em dia que os vinis eram "sonoramente" muito melhores que os CDs. Pode ser. Mas -quem lembra das "vitrolas" - sabe que eles eram bem mais complicados de guardar e chatos de manusear.

Eu penso que um dos lados dos scans (muito pouco comentado) é que ele tem um lado prático. As pessoas se esquecem que é preciso espaço físico para guardar os gibis, coisa que é praticamente "resolvida" com o back-up em CDs e etc. Mesmo que eu tenha recursos pra comprar mensalmente todos os gibis que saem todos os meses (ainda mais agora, com estas sagas e crossovers e etc), fatalmente, terei que me livrar dos gibis: ou eles vão pro lixo ou pro sebo. Aliás, hoje em dia, é relativamente achar coisa muito boa e "pingando" tinta ainda nos sebos.

b)
Existem coisas boas que eu tenho certeza que só terei acesso via scan. Infelizmente, eu diria. Também prefiro papel. Mas esperar encontrar Chris Ware, Little Nemo, Kriptas antigas, coisas mais alternativas... Eu sei que alguém vai dizer: Mas eles não são publicados aqui, devido aos scans. Eu não sei. Acho que este gênero é tão alternativo, um nicho de mercado restrito. Não é popular em nenhum lugar do mundo... Mesmo o preço do original americano é descabido. Esperar a publicação destas obras aqui é besteira...

3)Por último, descobri Mark Millar via scans. Qualquer coisa que sai dele, hoje em dia eu compro. Prefiro os encadernados. Aquilo que gosto muito, BAIXO em SCANS e compro também. Meio físico ou meio eletrônico, quero preservar estas histórias que acho tão importantes pra mim.

Bem, é o que acho e o que faço. Lógico que não sei se o restante dos leitores agem desta forma.

Xing Ling

Anônimo disse...

(continuação)

Ah, eu não discuti o aspecto legal do lance dos scans. Óbvio, é contra a lei. Mas se a gente resolver cair nesta discussão, não se deveria debater a questão do aborto, da legalização das drogas, ou da proibição do fumo dentro do gabinete de presidentes...

Ass
Xing Ling

Toni Rodrigues disse...

Eu pessoalmente gosto muito mais da tradução que saiu pela Globo do que de todas as que vieram depois. Gosto do Sandman, mas acho que já chega de reedições, pô. Acho uma lástima que venha outra editora, republicar outra vez todo esse material com tanta coisa boa inédita por aqui. Que tal a Pixel editar o Sandman Mistery Theater que também é muito bom ao invés de reeditar uma história que ainda se encontra com facilidade em qualquer livraria ou sebo?

Sidney Gusman disse...

Xing Ling, do jeito que o mercado brasileiro está horizontalizado hoje, não duvido que esses materiais saiam por aqui. Até Krazy Kat saiu! Quanto aos materiais antigos, como escrevi, deixei de ser tão radical. O mesmo vale para Miracleman, por exemplo. Este, nós sabemos, não vai sair mesmo!

Não sou ninguém pra condenar quem baixa scans, apenas não concordo com a prática, pois ela prejudica o mercado como um todo. Só que não vou brigar com ninguém por causa disso!

Toni, durante o trabalho nas edições da Conrad, peguei muitos erros de tradução da época da Globo – que nem sonhei em achar quando li na época. Nada absurdo, mas eram vários. A Pixel está mirando num leitor que não comprou as edições da Conrad por falta de grana, acho uma tentativa válida, porém arriscada.

E faço coro a respeito de Sandman – Teatro do Mistério, mas não vejo muito público para este material, infelizmente.

Abraço aos dois

Rafael disse...

Dois ótimos textos dão um pouco de luz e calor nessa primavera que começa fria e chuvosa.

vida longa à opinião de quem entende (e vida longa à quem entende tbm)

Victor disse...

Em toda essa discussão, gostaria de salientar e comentar um comentário do "anônimo". Ele disse o seguinte:

"Mesmo que eu tenha recursos pra comprar mensalmente todos os gibis que saem todos os meses (ainda mais agora, com estas sagas e crossovers e etc)"

Pois é, aí está um problema de fundo. Quem disse que é preciso comparar todos os gibis que saem todos os meses? Quem disse que é preciso ler tudo? Isso é normal (não do ponto de vista psicológico, mas objetivo, de comportamento do público)? Você vê o público comum de cinemas vendo todos os filmes que são criados? Um fã de literatura policial lê TODOS os livros que são publicados? Claro que não. Só jornalistas e gente que trabalha na área deveria se sentir nessa obrigação. Então, tem algo errado com esse público da Marvel e DC. Essas editora 'educaram' um público muito específico, e 'adestraram' esse público, em geral desde a infância ou pré-adolescência, à sentir-se na obrigação de ler e comprar tudo.

Há uma certa 'miopia' involuntária na análise da questão. Quando se usa, por exemplo, o argumento de que ler scans é como baixar MP3, está se enxergando apenas os quadrinhos das grandes editoras americanas, que por certo não vão ficar muito pobres por não venderem muitos gibis na américa-latina. Porém, se enxergarmos o fato ÓBVIO de que quadrinhos não são só super-heróis da Marvel e DC, perceberemos que os scans de obras de vários artistas e de pequenas editoras pode simplesmente tornar inviável o seu trabalho.

Sidney Gusman disse...

Valeu, Rafael.

E, Victor, é por aí mesmo. Já pensou em escrever resenhas de quadrinhos? :-)

Se sim, me manda um e-mail!

ABraço

Victor disse...

Olha, vou mandar uma para você hoje mesmo. ;-)

supervagabundo disse...

Bah...vejo é muita hipocrisia.

Quando hqs mainstream vendiam a rodo, o preço já era alto.
Marvel e DC nunca demonstraram respeito pelo leitor e scans ameaçam mais eles que outras pequenas editoras, que sempre publicaram com preço lá em cima, por causa da tiragem limitada, penso eu, porém a qualidade sempre compensa. Se o preço dos scans é sacrificar estas duas (marvel/dc) em prol de ler coisas hiperlegais como Jason ou Dave Sim, sai é muito barato.
Sem falar que, se não fosse os scans, Preacher estaria incompleta até hoje.

Esta coisa de "acabará saindo aqui" é relativo... Quem tem saco para esperar uns dois anos ou mais para certa publicações. Se sairem ...Conheço fanáticos por Hellboy que nunca tinham ouvido falar de Hellboy JR, por exemplo.

Sidney Gusman disse...

Supervagabundo, você está errado. Na época em que HQs de super-heróis vendiam a rodo, as revistas eram em formatinho e o preço variava com os dos gibis infantis.

Os scans ameaçam muito mais as pequenas editoras, pois o giro de seus materiais é menor do que o das grandes.

O lance é que tem gente - seu caso - que é imediatista e não agüenta esperar. Aí, como escrevi, é irreversível.

ABraço

supervagabundo disse...

Nem de longe sou imediatista, não fico garipando scans na rede e há tempos sempre comprei HQs escolhidas a dedo, outra, scans surgiram pós formatinho.
Quem já escaneou sabe com é chato digitalizar formatinho. Aliás, formatinhos em sebos, com lombada quadrada estão cada vez mais raros.
Um exemplo de algo que não julgo "imediatismo": The Goon saiu no Brazil por volta de 2006/2007. A li por volta de 2004, mas já conhecia o personagem desde alguns anos antes. Esta HQ é o tipo de coisa que pode ou não sair por aqui. Isso para dar um exemplo de grande feito pelo pessoal dos tradutores ,teve outros mais legais ou importantes (o caso dos últimos números Preacher). Até quando esperar??? Editoras já fizeram isto antes.
É pior ler o que há tempos você queria conferir ou conhecer numa tela, pirateado ou não ler???

Não vejo as pequenas editoras concorrendo com a Marvel/DC e a maioria dos scans é voltada para publicações destas duas grandes.
E elas não têm moral para censurar nós aqui do Brazil pelos scans.

No frigir dos ovos, os scans deram (ou darão) um puta contribuição para leitores mais ecléticos. Principalmente no rol de HQs raras ou inace$$ívei$.

Leio Hq desde sei lá quando, sempre me banquei, hj ganho razoavelmente bem, nem por isso tenho as manhas de dar 30 paus no acima da média quadrinhos da Cluq e se existissem eles para baixar, o faria sem pestejar (na verdade existe sim, em italiano, na boa e velha mulinha.) Neste meio tempo é a única coisa que ainda procuro em sebos de usados.

Só acho que seus conceitos sobre scans aqui em terras latinas estão meio errados. As grandes estão em declinio com seus enredos meia boca há anos, eles vão acabar perecendo pelos seus próprios erros, talvez, os scans acelerem um pouco isto ou não. Por enquanto é dificil cobrar de leitores não baixar os scans piratas (estes com seus defeitos e/ou virtudes.)
Concordo só com a parte de compra de hqs publicadas recentemente apenas com intuito de escanea-las.

Sidney Gusman disse...

Supervagabundo, é uma questão pessoal mesmo. EU não baixo, mesmo se "achar" que a HQ não sairá por aqui. Junto uma grana e compro a importada.

Exemplo meio tosco, mas válido: só como num restaurante bacana se tenho grana. Se não tenho, adio!

Na boa, acho impossível encontrar alguém que não tenha deixado de comprar alguma HQ depois de ler o scan. Você fala em benefício a leitores ecléticos, mas isso, pra mim, é Lei de Gerson. Afinal, se posso ler de graça (mesmo que seja uma leitura advinda de prática ilegal), pagar pagar pra quê?

Mas, como escrevi, não vou brigar com ninguém por baixar scans. Só não me peça pra concordar com isso.