23 setembro 2009

O eterno dilema da falta de espaço

Na matéria da semana, mais um problema que aflige os colecionadores.

Não só um problema, também um dilema, que provoca a ira de mães, esposas, namoradas e moradores da casa em geral: a falta de espaço para as coleções de quadrinhos!


No começo, tudo é dez.

Cem revistas, sensacional. Mil revistas! Nossa, que legal.

Porém, quando a casa dos "mil" não para de aumentar, o que fazer? Jogar tudo pela janela? Alugar uma mansão?

Na tentativa de elucidar as possibilidades para minimizar essa catástrofe quadrinhística, você confere a matéria da semana no Universo HQ.

E, tendo ou não problema de espaço, comente à vontade!

47 comentários:

Nei disse...

Excelente artigo!

Eu já passei por isso uma vez, aos 13 anos, com minhas revistas da Disney. Infelizmente como não tinha muita noção das coisas acabei vendendo para um sebo xexelento, por preços irrisórios. Arrependo-me amargamente até hoje (tanto do preço pelo qual vendi quanto pela venda em si).

Depois comecei a colecionar Marvel (Abril e Panini). Dessa vez tentei encontrar um "discípulo" a quem pudesse doar minhas revistas, pelo menos as mensais, mas é muito difícil. Curiosamente a molecada que menos têm condições financeiras de bancar esse hobby é a que menos se interessa.

Por conta disso resolvi doar minhas revistas para gibitecas públicas e instituições de caridade que tenham um espaço reservado exclusivamente para gibis.

Eu conto essa história com detalhes no meu blog, o HQ das HQs

Meu post foi exatamente sobre o tamanho da coleção! :-)

Marcus Ramone disse...

O principal problema de todo colecionador. Mais ainda quando começamos a tomar conta dos espaços das outras pessoas da casa (mãe, esposa, irmão...).

Guardo minha coleção em dois lugares: na minha casa (em um guarda-roupa só pra isso) e na dos meus pais (num armário embutido que vai até o teto). Nos dois locais, já não há mais espaço pra colocar mais nada.

Por isso, já tem gibis no criado-mudo, na estante da sala e até numa prateleira da despensa.
E minha esposa reclamando...

Nei disse...

Minha esposa nunca reclamou de nada. Ela até me presenteia com novos gibis. Porém, eu conscientemente entendo que não posso ocupar os espaços da casa.

Minha mãe, sim, reclama muito. Conforme dôo alguns dos gibis que estão na minha casa eu vou tirando as que ainda estão na casa dela.

Uma coisa que ajudou bastante foi parar de comprar gibis. Ou, pelo menos, comprar tudo que via pela frente. Agora, só especiais ou arcos consagrados. Chega de revistas mensais. São muito caras e nem sempre as histórias prestam.

Charles disse...

Que problemão esse!
Há dois anos que me casei e sai da casa da mãe. Até hoje não consegui arrumar espaço pra mudar meus gibis, que estão encaixotados e bem guardados no velho e bom armário do meu antigo quarto. Pois, todos lugares disponíveis para hq, na minha nova casa, já estão ocupados pelas compras que fiz no período.

Mas esse problema de espaço já é antigo, antes mesmo da mudança já me faltava lugar, ainda mais porque estava na faculdade, e tinha muitos livros e materiais (que foram todos guardados e colocados em algum canto tão logo ela acabou). Por conta dessa falta de espaço, eu emprestava bastante meus gibis e não pedia de volta até ter espaço para guardá-los, já que na casa de meus amigos tinha espaço, e eles os guardavam direito.

Quando construir minha casa a farei com um recinto só pra eles, até lá minha coleção segue dividida.

obs: Li o poste sobre a queda da estante do Sidney! Adorei aqueles volumes gigantes do Dylan Dog e Sam Pezzo! Que edições são aquelas?

Charles disse...

Totalmente off-topic, mas que sou obrigado a comentar:`

Por falar em Especiais, o último que li foi do Punho de Ferro: As 7 cidades do paraíso. QUE GIBI! É perfeito (apesar da arte de Kano, que é muito pouca).
Recomendadíssimo!

Aproveito para corrigir meu post anterior:
"obs: Li o 'post' sobre a queda da estante do Sidney! Adorei aqueles volumes gigantes do Dylan Dog e Sam Pezzo! Que edições são aquelas?"

Gabi disse...

Nunca fui fã de revistinhas mensais... faço como o Ney, compro os especiais e os consagrados....
O bom é que eu sou a esposa, a dana da casa e pasmem, a dona dos quadrinhos... Nunca ninguém me encheu o saco não.... Ninguém te coragem!
Beijos
;-)

Marcelo Fontana disse...

Me mudei pra Salvador há 2 anos e tive que deixar 5.000 revistas no meu antigo quarto, na casa da minha mãe, em Minas Gerais. Às vezes dá uma saudaaaaade daquela edição que eu queria reler.
Mas fim do problema de espaço? Por enquanto, pq os quadrinhso no novo ap. já passaram dos 400 e vou ter que negociar com a patroa onde é que vai ficar o novo armário.

Lielson disse...

eu ainda tenho espaço em casa para mais algumas estantes, mas já comecei com planos de contongência:
1) o que eu sei que não voltarei a ler eu dou pra amigos que mereçam ou troco por outras revistas
2) estou pensando em trocar todas minhas Marvel Action por encadernados do Daredevil importados.
3) revistas que improvavelmente lerei, mas que quero guardar por coisa ou outra vão pra cantos escondidos.

andré b. disse...

Esse é o problema número 1 de qualquer colecionador de quadrinhos. Entretanto, enquanto se está solteiro, não há problema algum. Mas depois que você se casa, aí é que o trem enrola de vez mesmo. Sua esposa começa com os já tradiconais mantras de "pôr fogo em tudo", "jogar no lixo", "doar" e etc.
Comprei um apartamento recentemente. A primeira providência foi transformar o quarto de empregada em uma biblioteca. Estante para tudo quanto é lado. Acreditei que meus problemas estavam resolvidos. Mas quando fui começar a colocar as revistas na estante, começou a bater o desespero. Não ia caber tudo ! Aquela praga de revista formatinho parecia um bando de gremlins, que se multiplicavam cada vez mais ! Tive que usar meu poder de Tétris e dar um jeito de encaixar todas aquelas revistas. Minha esposa não poderia nem imaginar que faltaria espaço na estante, pois senão era o fim de uma boa centena de gibis.
E para agravar ainda mais a situação, tenho o maldito hábito de comprar toneladas de DVDs e livros, que também ficam na mesma instante.

Omar Viñole disse...

ainda tenho espaço pra 1, 2 anos. Compro muito pouco atualmente ñ só pela grana mas também pelo espaço pequeno que tenho hoje em dia; mas minha antiga coleção está na casa de um amigo q gosta muito de quadrinhos, espero que a esposa dele ñ ache ruim!Quando ñ tiver mais espaço ou paro de vez ou vou doar, vender algumas edições q tenho. hehe

Daniel "Gargula" Braga disse...

Minha coleção parou por isto. Agora só TPs mesmo e as que tem lombada conseguem receber o selo de aprovação ISpOsa 9000!!!

Sem isto, barrado!

MTx disse...

Tem uma solução mais barata ainda.
Baixar todas as suas coleções via torrent e doar (ou vender) as revistas.
Você só precisaria de um HD parrudo e uma internet banda larga.
Fica tudo dentro de um caixotinho protegido e você ainda pode levar pra aonde quiser.

JJ Marreiro disse...

Rapaz, minha coleção fica no quarto de empregada. Não tenho empregada. Eram cinco estantes de ferro, duas ficavam no centro do quarto...até ocorrer um imprevisto. Depois de uma tarde de "ensacamento" de revistas, entrei no banheiro- foi só a conta-uma das estantes desabou derrubando as outras me deixando preso no banheiro...Fiquei lá por coisa de uma hora ou duas. Até chegar o resgate. Hoje não ponho mais prateleiras no centro do quarto e tento amarrá-las a ganchos na parede.

Gustavo Henrich disse...

Belo texto. Problema número 1 de quem coleciona Hq's.Como me casei e mudei de cidade por enquanto minha coleção continuou no armário da casa dos meus pais,que não tem espaço para mais nada.Na nova casa Minha esposa não liga para as revistas que tenho em casa, fui eu que comecei a me incomodar.Agora, o que eu tenho feito ultimamente é comprar só encadernados ou coisas realmente interessantes e que valem a pena ser lidas e relidas.Se eu compra alguma revista que não me agrada eu passo ela p frente, seja para algum conhecido ou algum sebo.

Nei disse...

O problema da solução do MTx é que pode ser ilegal.

Para quem gosta de Marvel, uma solução é a assinatura digital. São 60 dólares por ano com acesso total ao acervo da Marvel (com uma defasagem de 6 meses em relação aos lançamentos).

Isso é MUITO barato. No meu caso, dá até pra voltar ler as revistas mensais sem ter que entulhar minha casa. As desvantagens que vejo são: ter que ler no computador e não poder baixar as revistas. Tem que ler online mesmo.

Estou dando umas indiretas pra minha mulher pra ver se ela me dá uma assinatura dessas de presente! :-)

Celso Lopes disse...

Meu caso já eliminei muita coisa tais como a minha coleção do Batman em formatinho (só tenho a primeira serie da Abril, as Premiuns e da Panini), Homem-Aranha da Abril eliminei os numeros a partir 100 para frente ficando somente as Premins e Panini até o numero 50. Formatinho praticamente foram quase exterminado da coleção, minisseries da Abril etc. O forte da coleção agora é encadernados e graphic novel.Devo ter agora em torno de 600 quadrinhos. E olha que tenho uma coleção de Aventuras na Historia e Superinteressante.

Jaqueta Amarela disse...

Coleciono quadrinhos desde 1995 e também não tenho mais onde enfiar quadrinhos em casa. Logo estou comprando cada vez menos.

Nesse caso, os encadernados são uma excelente opção pra me livrar daquelas muitas edições mensais, já amareladas pelos seus 10, 15 anos.

Mas dá uma dó...

Sidney Gusman disse...

Charles, aquelas edições são italianas. O Dylan Dog é da Mondadori; e o Sam Pezzo (que é um baita personagem), da Comic Art. Coisa fina!

Bom, sobre o tema da matéria do Naranjo, depois que coloquei aquela mega estante de aço na sala achei que todos os meus problemas estavam resolvidos. Tsc, tsc.

Já há uma pilha quase do meu tamanho (1,86 m) só de LIVROS de quadrinhos. Resultado: vou gastar uma grana alta pra "forrar" a minha sala com uma estante gigante.

O problema é que sei que minha alegria vai durar só alguns anos. Ou meses!

Ao menos minha esposa não enche o saco. Na verdade, eu é que me incomodo mais de receber visitas com tantos quadrinhos espalhados pela casa.

Estou prestes a tomar uma decisão radical: abrir mão de grande parte da minha coleção. E olha que ela é muito, muito, muito grande.

E, Daniel, excelente o selo de aprovação ISpOsa 9000!

Abraço

Guilherme Veneziani disse...

Direto ao ponto! Ótimo artigo! E me sinto orgulhoso por terem postado uma foto da minha coleção, que por sinal é somente a pilha de não lidos! (2a. foto de cima pra baixo)

Os lidos vão aos poucos indo para a casa dos meus pais no meu antigo quarto. Que, por sua vez, já estão saindo de lá e indo para uma empresa especializada em arquivo morto (essa solução não estava no artigo!) ;-), pois minha mulher está grávida, e agora, estamos precisando de mais espaço em casa para a chegada do bebê...

Ou seja estou mandando coisas que já não cabem no meu apto, que vão ocupar o lugar das HQ´s na casa dos meus pais, e estas vão para um galpão...

E, assim como o artigo, e o mesmo caso de alguns dos leitores acima, minha mulher fala "pra que tudo isso, seus olhos vão cair de tanta leitura..."

Enfim, vida de fã de quadrinhos é isso, a leitura é rápida e volumosa. E ninguém (ou quase) gosta de se desfazer de uma coleção.
Abraços

Vícola disse...

Bom, a minha solução pode deiar algumas pessoas de cabelo em pé, mas serve muito em pra mim.
Eu prefiro encadernar as histórias e faço volumes só com respectivo herói. Então, tenho encadernados só com Homem-Aranha, só com Hulk, Batman e por aí afora.
O bom disso é que sempre ficam sobrando aquelas histórias que vieram no mix e que eu não gosto. Pra essas, ou o destino é algum conhecido que as queira ou lixo mesmo.
No fim fico com as histórias que gosto e libero o maior espaço.

Amalio Damas disse...

A não ser que se tenha recursos ilimitados, cedo ou tarde, a solução é se desfazer de algumas coisas "menos importantes" como por exemplo, X-Men Premium, que de Premium não tem nada. Eu fiz isso. Nas primeiras edições dói um pouco, mas depois você acostuma e sente até certo alívio. O único cuidado é avaliar com muita cautela o que vai descartar, para não se arrepender depois. Aproveitar os relançamentos encadernados que as editoras estão fazendo ajuda muito. Por exemplo, se você comporu Hellboy Edição Histórica 1, pra que ficar com a minissérie em 5 partes? Menos cinco gibis que não farão falta. Obviamente que o espaço será preenchido por outro gibi que pode ter até um volume um pouco maior, mas ajuda. O que dizer de Poder Supremo então? Acredito que dê para se livrar da maioria das edições, principalmente as que não tem Alias. Enfim, essa é uma das soluções. Vamos nos desapegar das coisas materiais e deixar o espírito mais livre.

SEMI disse...

Não tenho problemas com espaço, pois minhas revistas estão no vasto sotão da casa da minha mãe, onde apenas eu tenho acesso.

Em contrapartida, posso ter problemas com traças e umidade, mas o que os olhos não vêem o coração não sente.

Anônimo disse...

Falando em desapego...

Eu estou aqui para CAUSAR-LHES MAIS PROBLEMAS: estou vendendo algumas coleções Marvel/Abril, todas completas.

Já vendi Capitão América; Heróis da TV; Superaventuras Marvel; Homem-Aranha (Teia também); Hulk e Wolverine.

Para quem se interessar, ainda estou com as coleções completas de "Grandes Heróis Marvel"; "Marvel 2099"; "Novo Universo Marvel" e "X-Men".

O meu diferencial é que, como um bom colecionador que sou, agrupei as coleções de modo a deixar cada uma o mais AUTO-CONTIDA possível. Assim, quem não tem saco para começar uma história em um título e terminar em outro, não correrá esse perigo comigo.

Caso alguém tenha se interessado, basta ir no site Toda Oferta e procurar os meus anúncios. Desnecessário dizer que minhas coleções estão EM ESTADO DE BANCA?

Venham conferir!

Rafael disse...

Seus problemas se acabaram-se, como diria o grande empreendedor.
Sou proprietario de uma empresa de móveis e tenho um projeto de estante personalizavel que otimiza o tamanho das prateleiras de acordo com o perfil do colecionador.
Todo o movel é feito em madeira de pinus (reflorestda e por isso mesmo ecologicamente correta), com tabuas de uma polegada e meia, acabamento de primeira padrão imbuia.

Charles disse...

Sidney, você é um cara de sorte! E sobre Sam Pezzo, grande personagem e grande artista, o Giorgino é um dos melhores (e desses, menos falado). Quantos tomos aquele teu volume compila? Tenho só os quatro que a Martins Fontes lançou. Gostaria de ler Dylan Dog (entre outros fumeti, além do Tex) em edições melhores das que lançaram por aqui, tem cada artista bom que já passou por eles. Pena que seja italiano que são entendo nada (por enquanto, pelo menos)

Ricardo Pontes disse...

O problema da falta de espaço piora, quando além de colecionar quadrinhos, você coleciona action figures. Eu por exemplo, coleciono quadrinhos, action figures, dvds e miniaturas de carros e motos...minha esposa reclama um pouco, mas sabe que coleção é coleção.

Anônimo disse...

Cara, mudei há pouco e senti na pele o que é isto ! Já não bastassem anos com minha mãe torrando o saco com a possibilidade de jogar tudo fora, agora tenho que me desfazer de algumas revistas, masi pelo espaço que pela grana.

Zé Wellington disse...

Sério, é um problema que quanto mais eu tenho, mais eu gosto...

Hakeru-chan disse...

"Você não vê que não tem mais espaço para essas revistas?".

"Para de comprar, nem tem mais onde guardar!".


Ouço isso tanto... agroa que troquei o móvel do meu quarto, ganhei duas pratelerias que tem acomodado as menores coleções de mangás que eu tenho. Mas eu ainda compro Turma da Mônica também (além de mais mangás dos que estão na estante) e já invadi metade de uma porta do armário que era da minha mãe. A gaveta já quase não abre e a frágil prateleira que fica em cima dessa gaveta com uma caixa com mais revistas já tá envergada.

Meu armário antigo já tinha caído a prateleira dele por causa disso. E por mais que eu saiba pelas leis da física que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço, eu continuo tentando transgredi-la .-.

Vamos ver até onde meu armário estica pra caber essas revistas, rs...

Jackson Good disse...

Ainda moro com meus pais, então ouço direto tudo isso. A situação anda crítica há algum tempo: guardo os comics em caixas de sapato, então estou sempre mendigando a todos pra que me dêem mais caixas. O problema é onde guardar as caixas! Meu armário está lotado...inclusive por centenas de gibis menores, fumeetti de Tex, Zagor e Mágico Vento. Esses são mais firmes, eu simplesmente alinho na estante. Em um anexo da casa, tipo garagem/churrasqueira/etc, tem outro armário de quinquilharias que eu sorrateira e ocasionalmente jogo fora e ocupo cada vez mais espaço.

Já fiz algumas vendas/trocas pra sebos, hoje tenho apenas o que quero manter. Vai ser difícil eu me desprender e mudar de idéia. Acho que quando a situação estiver além dos limites do aceitável, emergência total, vou acabar fazendo umas gambiarras, mutilar as revistas mensais. Tipo, pego Marvel Action e corto tudo menos Demolidor... Marvel Max, deixo só Justiceiro... encadernados feitos em casa, ou algo assim. Tenho pensado nisso em momentos de loucura...

Ricardo Soathman disse...

É interessante essa questão.

Espaço...

Em uma era DIGITAL, espaço NÃO DEVERIA ser um problema. Podemos, ao invéz de nos livrarmos de uma "parte da coleção" simplismente digitaliza-la, em emprestar o gibi, assim, talvez ele não volte!

LOL!

Mas daí vem aquela coisa que ouço, 9 em 10 vezes que falamos de digitalização de HQs... Isso vai virar scan na rede, ou, eu preciso ter o "contato com o papel".

E, acreditem... NÃO DÁ para argumentar neste contexto.

Nossa geração... A minha geração (38 anos) é a do formatinho, papel jornal, que PRECISA, desesperadamente, PEGAR a revista.

Não é o meu caso... Mas é o de muitos de meus amigos que curtem quadrinhos. Então... Espaço.

Eu, ultimamente desisti das revistas mensais... Compro SELETIVAMENTE, o que me economiza algum espaço. Tenho grande parte de minha "old collection" digitalizaeda e catalogada em CDs, portanto, se eu quiser ler Superman do Byrne, vou ter de ler na tela do computador... Mas vou ler! O que acaba sendo legal.

Os mais novos, eu ainda não digitalizei, guardo no papel, em um saco de plastico, sem ar dentro... Dizem que demora a estragar assim... ;)

Então sei lá, dê espaço ao que te importa... E, se a mulher reclamar, troca de mulher, ou se livra das HQs!

Ou evolui, e digitaliza tudo!

LOL!

ABS

- Ricardo Soathman

Cristiano disse...

Hoje cedo ri muito lendo essa matéria sobra a falta de espaço e com uma pequena coleção em torno de quase 4.000 gibis, já estou precisando comprar outro armário (o quinto) para deixar a coleção melhor organizada. E tudo que nosso amigo escreveu na matéria, já vivi na minha vida de colecionador. Na época que era solteiro, minha mãe queria jogar minha coleção fora. Agora casado é minha esposa que não aguenta mais de tanta revista e livros também... rs. Grande abraço a todos os colecionadores que sofrem com suas grandes coleções. Mas... Fazer o que? Tudo isso é o nosso paraíso na Terra. rs

Telio disse...

Casei, tive dois filhos e diminui drasticamente a compra de quadrinhos por falta de espaço e de grana. Mas, hoje, ironicamente, recebo muita coisa. E continuo sem espaço. Os primeiros a irem para o lixo (já que a biblioteca municipal não aceitou), há um ano, foram aqueles em formatinho. Hoje, ocupo todos os armários possíveis da casa. E a coleção de gibis da Turma da Mônica de minha filha já não cabe no quarto dela.

Hunter disse...

Depois que você começa a ler álbuns europeus, não tem scan que substitua...

Eu botei uma estante gigante na sala, pra onde vai o material "papa-fina" (álbuns europeus, etc.) para impressionar os gentios. Uma grande no quarto onde fica a "bagunça" e muito do material não-quadrinhos que eu tenho de acomodar (livros, CDs, etc.). A tralha (mensais, material grande demais para caber nas estantes, etc.) fica no quarto de empregada em estantes de metal.

O que eu preciso é arrumar tudo de uma vez por todas enquanto ainda tenho espaço de manobra.

E, sim, eu sou solteiro.

Hunter (Pedro Bouça)

Natania Nogueira disse...

Pessoal, eu cansei de ouvir a frase "vou colocar fogo em tudo". Resolvi meu problema criando uma gibiteca na escola, como muitos sabem (aliás, aceitamos doações). Meu problema é que os livros competem com os quadrinhos e já não havia mais espaço. Então, eu resolvi dar um fim ao problema, sem preder de vista meu lindo acervo. Agora, a coleção do Hunter, é um problema: corre o risco de não sobrar espaço na casa dele para as visitas tupiniquis!

Emerson disse...

Também sofro com a falta de espaço para quadrinhos e livros. Mas, de forma paliativa-definitiva, descobri uma forma de guardá-los bastante prática: caixas vazadas. Dessas usadas para transportar legumes e verduras nas feiras.

Vantagens: são plásticas, empilháveis, arejadas, resistentes, compactas e bastante práticas e bastante baratas. (Aqui em SP, na região do CEASA, encontramos por R$ 13,00 cada uma!)

Dá para empilhar 6 caixas (mais do que isso fica complicado o manuseio). Assim, ocupando pouco espaço, temos como guardar com segurança toda a coleção. Claro que, além das caixas, é interessante o armazenamento das coleções em saquinhos plásticos, para que os mesmos não fiquem em contato direto com as bordas das caixas. Papelão também é bastante indicado para ajudar na proteção.

Daí, basta catalogar.

Estevão Ribeiro disse...

Eu reduzi drasticamente minha coleção quando começou a faltar tempo pra ler. Então, comecei a comprar só as especiais. Quando me mudei do ES para o RJ, sabendo que iria morar com uma traça de livros, comprei uma estante em "V", com espaço para uns 500 livros... o chão da casa ainda tem publicações, fora as de MINHA autoria, o DELA... e minha coleção de quadrinhos coube num pequeno armário 70x50cm...

Jaqueta Amarela disse...

Além do problema de armazenamento, tem o da conservação.

As revistas juntam ácaro, mofam e podem até ser alvo do ataque de cupins. Esse sim, um problemão sem solução.

Marcus Vinicius disse...

Antes de emprestar ou doar a coleção de revistas, que tal digitalizar ? Assim dá pra manter uma cópia que quase não ocupa espaço - ou pelo menos fica mais fácil de armazenar e guardar.

Hoje, substitui as prateleiras suspensas http://universohq.blogspot.com/2009/05/as-colecoes-dos-leitores-em-primeiro.html por estantes de aço. São 2 de 1,98x93x44. Recobri com isopor por trás por causa de umidade e recobri com um plástico bem grosso. Mas já vou precisar de uma terceira. E olha que parei de comprar muita coisa.

Rodolfo S Filho disse...

Eu desisti de colecionar há alguns anos e passei um tempo com umas mil e poucas revistas pela casa. Depois de um tempo eu dei a maioria - formatinhos, números soltos de edições americanas - para amigos e uma abrigo para crianças. Fiquei com umas centenas, que vendi para ajudar na saída da casa dos meus pais. Hoje, tenho só uns cem gibis. E ainda vivo vendendo alguns em http://www.estantevirtual.com.br/acervos/bracchi

De vez em quando sinto saudade de algum - como minha coleção completa de Invisibles - mas passa rápido.

Rodrigo Sava disse...

Demais o artigo, e ótimos também os comentários de todos, dividindo experiências nessa tragicomédia que é administrar uma coleção crescente de quadrinhos.

Deu até para viajar um pouco, e pensei o seguinte: Se abrirmos mão daquele sentimento de pertencimento e adulação típico de colecionador, que nos faz manter os gibis bem ao alcance das mãos e olhos, poderíamos formar grupos de colecionadores regionalmente e administrar uma espécie de gibiteca pública, com os quadrinhos de todos. Resolveria a questão do espaço de cada um, e de quebra ainda partilharia com a sociedade o nosso tesouro, quiçá criando novos leitores.

Quem sabe uma lei de incentivo à cultura ou o apoio da administração municipal não sustenta a idéia? Algo como o projeto "pontos de cultura", mas dedicado aos quadrinhos...

Ah, antes que eu me esqueça: Perdi a conta de quantas vezes meu pai ameaçava pôr fogo nas revistas ;)

Rafael disse...

tenho 14 anos e mais de 9.000 revistas, o problema é que a minha mãe odeia tanta revista na casa, começei a colecionar em maio de 2005,no inicio ela comprava de vez em quando, hoje ela impoe um "embargo" e uma tentativa constante de me convencer a me desfazer das revistas.

Willian disse...

Que ótimo artigo!

Nossa... Venho passando por esse problema há algum tmepo já... Não consigo arrumar mais espaço na casa para minhas revistas, que aumentam como coelhos em reprodução assistida... rsrsrrsrsrs

Gostaria de fazer uma sugestão: vocês poderiam fazer um artigo sobre a milenar arte de se ler o mesmo gibi 523 vezes... E o melhor: ainda chegar ao final da leitura sentindo as mesmas emoções da primeira lida...

Bem... Fica aí a sugestão! Abraço e obrigado pelo site que fala sobre uma das melhores coisas do mundo: o amor pelos quadrinhos!

João Defunto disse...

Na matéria "Mauricio de Sousa Produções: visitando a fábrica de sonhos" do Ramone, na quarta foto, aparecem umas caixinhas com formatinhos arquivados. Parecem caixinhas tipo revisteiro. Fiquei interessado nelas, pois parecem feitas sob medida para formatinhos. Alguém sabe onde posso encontrar essas caixinhas?

Parte dos meus gibis ficam em caixas MDF, parte em um guarda-roupas e parte em uma estante grande de peroba com 4,00m de compr. x 2,60m alt. x 0,60m de profundidade. Preciso de um quarto novo...

quanto as caixinhas da foto da matéria da MSP, se alguém souber de algo, por favor me deem um toque. Valeu!

adriajs disse...

Realmente, a falta de espaço para nós colecionadores de Comix, chega a ser um “conflito existencial”, passei por esta situação anos atrás e porém como estou nesta vida “Marvel-tico” desde 1982, sempre renunciei a simples idéia de vender ou doar minhas HQs assim como “encaixota-lás”, tomei medidas extremas e desesperadas como construir um cômodo extra para guardar a minha coleção.

Adriano Silva

carlos alberto disse...

Muito legal esta matéria acerca da falta de espaço para as HQ. Bem um amante da mesma, sempre vai dar um jeito. Já perdi a conta das coleções que tenho. As já lidas que são todas menos as duas últimas, estão em caixas de papelões, dentro de embalagens individualisadas de plásticos e ainda com as famosas naftalinas para garantir. Mas é um fato. O meu quarto que é bem grande já está quase no limite. E a idade também vai chegando. Se tiver com muita saúde até os 70 anos vou mante-las, depois, talvez faço um leilão para comprar minha sepultura e esta terá alguns super heróis como adorno. Vender agora! Nem pensar. Um abraço. Carlos A Branco

Sandro disse...

Gostei da matéria principalmente por que estou passando por esta situação agora mesmo.Já vendi várias coleções de formatinhos e agora não sei o que mais pode ir embora.E não consigo parar de comprar...e se fossem só gibis acho que o problema seria menor.E já ouvi quase todas aquelas coisas sobre parar de comprar e por que eu continuo gastando dinheiro com isso há mais de 20 anos...Mas acho que estarei comprando por mais 20.
Um abraço a todos os leitores do blog!
Sandro Machado