24 maio 2010

O efeito Mauricio de Sousa


Sidney Gusman participou neste domingo de um evento sobre quadrinhos que tem rolado durante todo o mês de maio na Casa das Rosas.

A palestra dele era a única de um domingo à tarde e, em um dia frio com aquele clima propício para ficar em casa, mas várias pessoas aos poucos ocuparam praticamente todos os lugares de uma pequena sala no casarão mais antigo na Paulista.

O melhor disso é que o público que foi até lá ouvi-lo era formado principalmente por fãs e leitores da Turma da Mônica. Pode parecer óbvio que esse seria o público, mas, na maioria dos eventos nessa área, noto que o público principal é um grupo mais ou menos parecido de pessoas “do meio” dos quadrinhos – autores, editores, jornalistas.
Qual é a diferença dessa palestra e outros eventos? Um fator chamado Mauricio de Sousa.

Como Sidney bem explicou, nos seus 50 anos de carreira, Mauricio soube evoluir e se tornou um grande empresário dos quadrinhos. Ele se tornou um fenômeno mundial que ultrapassa gerações e parece não encontrar limites para crescer.

O grande exemplo disso é a Turma da Mônica Jovem. A maioria das perguntas feitas na palestra foi sobre esse novo sucesso de vendas, que não só estendeu a permanência do leitor nas revistas dos Estúdios Mauricio de Sousa, mas também resgatou leitores que já tinham abandonado os quadrinhos.

Mauricio é único e o efeito de seu trabalho será sentido por muitas gerações ainda. Sua capacidade de agregar valor a tudo que toca não se aplica apenas aos livros, quadrinhos e outros produtos relacionados à sua marca pessoal.

Ele ajuda todo o mercado de que faz parte, formando leitores e mantendo-os nos quadrinhos até que tenham maturidade suficiente para conhecer toda a variedade desse universo de HQs que gostamos tanto de ler e que precisa de público para se manter.

3 comentários:

Rogério de Souza disse...

Nossa, estava escrevendo sobre histórias em quadrinhos nacionais em meu blog e me veio a cabeça um pensamento relativo a Maurício de Sousa:
Ele é praticamente uma ENTIDADE no quadrinho tupiniquim. Algo que nos esbarramos sem ter a intenção, que está sempre lá presente... Tu passa numa banca e sempre dá de cara com algum personagem do Maurício assim como qualquer coisa relacionada a crianças, como brinquedos e roupas.
Como diz um colega veterano no trabalho:
Não é praqualquéum!

Paulo Gibi disse...

Desde a estréia da revista Mônica em 1970, Maurício de Sousa faz parte de nossas vidas. Ele é sinônimo de sucesso como desenhista, empresário e amigo inseparável dos fãs da turminha. O "mundo é um lugar melhor" com a presença deste mestre. Abraços. Paulo Gibi.

Anônimo disse...

CRI... CRI...