26 agosto 2009

Quadrinhos pelo verde

Outro dia, estava numa gibiteria e, na hora de pegar as compras da semana, disse que não precisava de sacola, porque eu tinha levado a minha. O atendente olhou meio surpreso, sei lá, e disse que infelizmente era raro ouvir isso, porque ninguém tava nem aí.

Fiquei pensando e me dei conta de que, na verdade, não eram só os clientes da loja que usavam sacos plásticos. Na verdade, todo o mercado de HQs parece distante demais de atitudes simples que podem ajudar a preservar o mundo.

Daí que veio a ideia de fazer uma coluna inspirada nisso. São práticas bem simples, bem iniciais, fáceis de seguir mesmo, que é pra todo mundo escolher uma ou outra e pôr em prática.

Vamos lá?

23 comentários:

Rafael disse...

Belo texto, Eduardo. E boa iniciativa também. Só vamos cuidar pra "onda verde" não se tornar uma nova religião e as atitudes "ecologicamente corretas" não se tornarem uma nova inquisição. Não quero ser queimado na fogueira só por não acreditar que a agua vai acabar ou que o mundo vai esquentar ou que a mata vai ser derrubada e tudo irá se esbodegar.

Lielson disse...

eu não sabia que as revistas não devem ser guardadas em plástico. mas pensando bem, as bibliotecas não guarda seu acervo em sacos plástciso, logo...

Fernando Ventura disse...

Na verdade os plásticos comuns não se tornam "colônias de fungos". Isso só acontece se ocorrer microclima ou se o ambiente em que as revistas estiverem guardadas estiverem com umidade acima de 60%. O problema é que os plásticos comuns reagem com o papel, acelerando sua degradação. Embalar individualmente os quadrinhos é uma boa idéia se forem usados filmes de poliéster (Mylar tipo D ou similar), que é um material inerte.

Guilherme Kroll disse...

Estórias Gerais, da Conrad, foi publicado em papel reciclado, por causa de um patrocínio. Já foi uma iniciativa.

Anônimo disse...

Nasi, um adendo:

Energia gerada por hidrelétricas é considerada "limpa" mas isso NÃO quer dizer que seja isenta de poluição.

Itaipú é um caso raro de confluências orográficas, hidrográficas e extratégicas em termos de recursos e usos, que não têm se repetido em outras ocasiões.

Outras hidrelétricas mais recentes e até mais modernas, principalmente as construídas e operantes principalmente na região amazônica, não só estão entre as que mais oneram o meio-ambiente (em várias situações e circunstâncias diversas) como emitem dióxido de carbono suficiente para invalidar a teoria de que hidroeletricidade não polui.

O que não polui, sim, é EDUCAR as pessoas a serem limpas, organizadas e eficientes em todos os sentidos. Saber evitar desperdícios, como você bem citou, já é meio caminho para um amanhã mais verde.

Victor Oliveira disse...

Muito bom... qunqdo abrir o site do universo hq, abri um olhão para o link. Legal a inciativa. Apenas senti falta de algumas referências. Você dá a dica, mas não as referências. Com o que embrulhar? Onde ver os quadrinhos virtuais? A idéia do repassar é incrível que você cita. Essa é a filosofia do bom consumidor. Tenho 8 coleções e empresto numa boa, rasga aqui, cola ali, mas dissemino a leitura, o prazer pelas HQs, etcs. Fora que isso força as eidtoras a buscarem estrategia de baratear os custos de impressão, logística e venda. Não duvidem se daqui há um tempo estarmos pagando assinatura virtual para ler pela net, se é que já não existe. E para o colega que não quer acreditar, um alerta... mesmo você não acreditando um dia o problema vai chegar até você. Em minha cidade, Belém, em plena Amazônia, já sinto.

Fabio disse...

Parabéns pela coluna. Mas vou aumentar o coro perguntando: Qual a melhor solução para conservar a coleção de HQs? Se o saco plástico não é o herói e sim o vilão da história, qual a melhor alternativa?

André Sollitto disse...

Eu guardo meus encadernados em prateleiras. Já as revistas mesmo eu guardo em um armário com portas, para que fiquem livres de poeira.

Amalio Damas disse...

Parabéns Nasi, bela iniciativa e além de tudo é de uma pessoa que realmente faz o que diz. Sempre achei esse negócio do plástico besteira, mas era coisa da minha cabeça e porque como eu vivo fuçando nos gibis, daria mais trabalho ficar abrindo e fechando saquinhos. Cara, a idéia das sacolas de algodão é genial, porque é que as Comics Shops não pensaram nisso antes? Só o lance da sacolinha, já ajudaria bastante. Já tem alguns meses que eu estou dispensando a sacolinha nos supermercados. Como não tenho sacolas grandes, levo o carrinho de feira para o mercado, outra alternativa. Já a questão dos quadrinhos impressos é um pouco mais complicada, porque dificilmente abandonarei esse hábito e quadrinhos virtuais só se tiverem uma dinâmica voltada para o meio digital e não apenas a reprodução de imagens scaneadas. Eu acho muito cansativo ler na tela.

Eduardo Roque disse...

Ah, Nasi, vc e essas listas...até lembrei do polêmico "Dogma".
Mas a iniciativa é válida, embora esse papo d ñ comprar e emprestar por aí ñ rola mesmo

Aphali disse...

A melhor solução é simplesmente parar de ler quadrinhos. Aliás, parar de ler qualquer coisa. Ler estraga o ambiente, em qualquer suporte, da pedra a tela, passando pelo papel (mais danoso), plástico, acrílico. Seja ecológico: abandone esse hábito terrível e preserve o planeta. A escrita está matando o mundo!

Diego Figueira disse...

Como disse o Sollitto, guardar as revistas em um armário fechado já ajuda bastante. É o que eu faço também. Aí você pode usar o tempo que gastaria empacotando as revistas para passar um espanador ou flanela para tirar o pó que se acumula nas prateleiras. Além de ficar mais fácil pra reler, como disse o Amálio.

Caio Majado disse...

Bom, texto... pra ser bem sincero não vou conseguir ler nada no computador, mas a parte da sacolinha é uma boa, vou parar de levar sacolinha da banca e tentar arranjar uma sacola retornável (acho que é esse o nome da sacola).
Parabéns!

Francisco disse...

Já tive um armário atacado por fungos. Se não fosse pelo plástico eu teria perdido muitas revistas. Alguns sacos plásticos ficaram completamente cobertos por fungos. Foi um erro meu não "inspecionar" a coleção, mas enfim, não fossem os sacos a perda de quadrinhos teria sido grande.

Luquinhas disse...

Eu naum to nem aih.. acessem o nerdblogluquinhas.blogspot.com!!!

Victor disse...

Vou dar o furo.

Mas, antes de ver a notícia, sentem bem acomodados todos os nerds nas suas cadeiras:

http://br.noticias.yahoo.com/s/reuters/090831/economia/negocios_midia_disney_marvel

Vai dar muita polêmica. Aguardo o post sobre o assunto, para opinarmos.

Victor disse...

Se alguém tem preguiça de copiar e colar o link (pensei que ia aparecer a url já como link clicável), então vou sacanear de vez e resumir a matéria aqui:

A Disney anunciou oficialmente que está em negociações para comprar a Marvel.

F.D. disse...

Não existe isso de criar fungos em HQ's guardaas em sacos plásticos. Já faço isso desde o começo dos anos 90 e nunca tive problemas. Mas tem que ser plástico bom, daquele tipo sem ácidos, como por exemplo os plásticos que servem para embalar alimentos no freezer e microondas. Esses plásticos são bem resistentes, e garantem uma longa vida e durabilidade para as revistas.

Já cansei de ouvir essa bestera de fungos, mas sinceramente isso é lenda urbana. A menos é claro que o plástico não esteja bem fechado, porque aí sim, se tem alguma abertura no plástico, ele pode pegar umidade, e nisso aparecerem fungos. Mas guardando do jeito certo, lacrando o plástico com durex ou fita adesiva, não existe esse tipo de risco. E é melhor assim do que largar as revistas ao alcance de traças e cupins.

Hikari =^-^= disse...

Nossa amei essa postagem, muito legal da sua parte ter levado sua propria sacola. Boa parte do comércio varejista parece (não só parece como é.) distante demais de atitudes simples que podem ajudar a preservar o mundo.
Eduardo você tah fazendo a sua parte néh, é isso que todos nós devíamos fazer.
Essa sua atitude pode ser incomum aqui no Brasil, mas é bem comum em países europeus. a Alemanha é um exemplo ;D

coloco meus gibis no meu guarda - roupa, não uso sacola pra guarda eles =D

Francisco disse...

Acho que você não entendeu F.D.

Os sacos salvaram a pátria. Os fungos foram resultado da umidade na madeira do assoalho do armário. Ou seja os fungos "brotaram" da madeira e não do papel.

Foi o plástico que impediu que a infecção chegasse ao papel das revistas.

:]

Ivan Linares (Recife -- PE) disse...

Já não uso plástico pra pequenas compras há tempos, sobretudo aqueles saquinhos minúsculos que dão nas farmácias, que nem pra pôr lixo servem.

Aliás, por falar em pôr lixo, aqueles sacos que usamos nos supermercado geram um dilema. Muitos (como eu) os usam pra jogar fora os restos de comida (o resto eu mando pra reciclagem!!!). Se deixar de usar os ditos sacos, vou usar aqueles azuis, como os da marca "Tubarão". Assim, fica um pelo outro, e o prejuízo acontra o ambiente é o mesmo.

Estou procurando aqueles sacos biodegradáveis, feitos de amido de milho (nada daqueles falsos "biodegradáveis", que na verdade são plástico comum que se desmancha, mas ainda é plástico, piorando ainda mais a situação do solo). Alguém sabe de um bom fornecedor que entregue no Recife, minha cidade? Se sabem, escrevam para

atente@uol.com.br

Valeu pela ajuda! E, também, cliquem no meu nome acima para acessar a página "Click Árvore", onde cada visita sua faz os parocinadores doarem uma muda pra reflorestar a mata atlântica!

Anônimo disse...

QUE VIADICE NASI

Adriana disse...

Eu gostei bastante da coluna. E queria comentar especialmente o item 8:

"8) Se puder, depois de ler a HQ, repasse para seus amigos. Assim, mais gente aproveita o mesmo material. Faça uma gibiteca no seu condomínio, na sua cidade, na sua escola. Ok, vamos ser francos: isso não vai acontecer. Mas você pode repassar adiante (...)"

OK, meu irmão fundou uma gibiteca na escola onde eu dou aula. Juntamos uma enorme coleção de quadrinhos q ele não queria mais guardar (por falta de espaço), todos foram encapados UM A UM pelas bibliotecárias da escola e a piazada se esbalda com aqueles quadrinhos q de outra forma eles jamais conheceriam, pq aqui não chega e o preço é alto.

Ou seja, seu raciocínio é válido e pode, sim, acontecer. ^^