18 abril 2007

O que estamos lendo

Crise Infinita #1, #2, #3 e #4 (com um pequeno spoiler)

Como bom leitor das antigas, posso dizer que passei por todas as principais sagas DC, quando de sua publicação nas bancas.

Crise nas Infinitas Terras, Armageddon 2001, Lendas, Zero Hora, Invasão e outras. Demorou um pouco, mas afinal cheguei na Crise Infinita.

Como estava com a expectativa baixa em relação a essa saga, confesso que acabei não achando tão ruim. Bastante ação, aquele montão de super-heróis e vilões quebrando o pau, maquinações diversas, suplots e mais. A turma do Flash “dando um jeito” no Superboy Prime foi bem bacana.

Falando em Superboy Prime, eis o que não me agradou: ele como assassino e o Superman da Terra-2 querendo provocar um morticínio para ter seu planeta de volta. Por tudo que fizeram na primeira Crise, pela moral e importância desses heróis, é como se jogassem uma pá de cal no passado deles. Acredito ser o grande furo do roteiro. Quanto ao Luthor... uma vez da família, vá lá, tinha que ser vilão mesmo.

Algumas revistas de linha devem explicar melhor essa fato. Ainda não tive oportunidade de ler, vamos ver se melhoram minha opinião. De todo modo, fico com a Crise original. Mesmo porque uma coisa é certa: só compro as edições com capa do George Pérez. O Jim “todo mundo igual” Lee não me convence.

Um comentário:

a. disse...

naranjo, meu velho, bom dia.
concordo com você em nome número e turma sobre crise infinita. apesar do quê tou igual como quando comprei a edição original de cavaleiro das trevas, há vinte e um anos atrás.

sobre as capas, tou comprando as do jim lee. acho que o george pérez piorou muito o estilo. e tem o phil jimenez como genérico do pérez, que não me agrada muito.