19 dezembro 2010

Curtinhas

O musical do Homem-Aranha, cuja série de avant-premières foi um fracasso, teve sua estreia novamente adiada. Agora, só no começo de fevereiro de 2011.

Tudo por causa de problemas técnicos e financeiros.

Além disso, o ato final do espetáculo precisa da participação do U2 (Bono Vox e The Edge escreveram as canções do musical) e a banda está com outros compromissos pelo mundo afora. É mole?

Os títulos da extinta editora norte-americana Crossgen, que há alguns meses a Marvel Comics prometeu relançar, chegarão às comic shops dos Estados Unidos no próximo mês de março.

Será que esses personagens vão ser incorporados ao Universo Marvel algum dia?

E o filme do Thor? Já anda causando polêmica antes de estrear.

Nos Estados Unidos, o grupo racista Council of Conservative Citizens (Conselho de Cidadãos Conservadores) anda fazendo beicinho porque o personagem Heimdall será interpretado pelo ator negro Idris Elba.

Segundo o CCC, um deus nórdico tem que ser necessariamente branco.


Já os grupos negros estão irritados com o fato de um filme sobre um deus branco e heroico ter tudo para encher ainda mais o orgulho extremista de entidades como o CCC. Falam até em boicote ao longa-metragem.

8 comentários:

Eduardo Roque disse...

Putz, q polêmica + babaca essa do Thor! Será q o pessoal keria q escurecessem o personagem?! Quanto ao grupo racista nem há o q comentar

Charles disse...

Na verdade, é muita hipocrisia colocar um personagem negro num filme de deuses nórdicos. Da mesma forma que seria se fizessem um filme com deuses africanos ou hindús e colocassem deuses brancos e loiros. A menos que o deus em questão realmente já fosse descrito preto ou branco (mas não é o caso do Heimdall). Fica óbvio, quase que como um estandarte amarrado nas costas do personagem, que se trata de cota. Cota enfiada a goela abaixo sem nenhum critério ou justificativa plausiva, exceto o execrável 'politicamente correto'. Mais forçado impossível.

O filme terá diversos personagens humanos, se a questão de cota é tão importante, poderiam usá-la nisso, com algum agente da shield de destaque.

Não estou dizendo que só brancos merecem ser deuses (mesmo porque sou ateu), mas deturpar uma mitologia em nome do "politicamente correto" é rídiculo.

Existem personagens de cuja a cor dependa, por já terem essa característica, como deuses NÓRDICOS. Imaginem um filme de Luke Cage com o Vin Diesel ou o Jason Stathan, ou então um do Pantera Negra repleto de Wakandanos brancos e orientais, quem sabe até um parente do Tchala. Ou melhor olhem casos ocorridos, como O último mestre do Ar, que usaram um garoto calcasiano, num personagem explicitamente oriental (ok, nesse caso não foi o policamente correto que usaram para alterar, e sim o suposto fator de faturamento, que é até mais fétido que o primeiro).

Mas apesar dessa frescura racial, acho que o filme deve ficar legal.

Francisco disse...

Concordo com o Charles. Também sou agnóstico e portanto não tenho que defender nenhuma mitologia e também não tenho problemas com preconceitos raciais. Assim me sinto absolutamente livre para dizer que é uma palhaçada essa deturpação em nome de "cotas" ou noções estúpidas de "politicamente correto" que só visam atender às pressões da mediocridade. E isso não é mera queixa leitor de quadrinhos, pois a mitologia nórdica vai bem além de um personagem da Marvel.

Já pensou se Helga, a esposa de Hagar, fosse uma mulata do morro da mangueira? Particularmente acho que ele estaria melhor servido, mas acho que chegam a ser ofensivos esses tipos de descontextualizações.

A pressão da mediocridade é sempre forte onde o trabalho também é medíocre. Hollywood é medíocre.

Será que veremos uma grande comédia ao estilo Monty Python? Acho que não, é mediocridade mesmo.

Marcelo Fontana disse...

Polêmica racista e babaca dos dois lados!!! Nem vale maiores comentários.

Anderson quespaner disse...

Rapaz,como ainda consigo me surpreender com a estupidez do ser humamo..
Ficar reclamando que o cara não pode fazer um papel no cinema por causa da cor..
Ô povinho mais gentelha viu..

Escobar disse...

Ele pode fazer papel no cinema, só que depende do personagem. Como nos USA o racismo é aberto e declarado, os produtores tentaram minimizar possíveis celeumas escalando um ator negro. Só que a emenda talvez tenha ficado pior que o soneto. Além de não conquistar a aprovação dos afro-americanos, também corre o risco de perder a bilheteria dos arianos. A solução é fazer o filme do Thor para os brancos, o filme do Luke Cage para os negros e depois os dois juntos num mesmo filme crossover: United Colors Against Skrulls.
Fica a dica pra Hollywood.

Daniel "Talude" disse...

E quem diria que o Brasil também tinha um CCC, o Comando de Caça aos Comunistas, grupo de extrema direita que agia ligado a ditadura brasileira. Aliás, o grupo ainda existe, mas de forma menor a que era.

Maurício disse...

Mas o ator escolhido para ser o Heimdall foi pelo fato de ser gay, não negro. Quem melhor para guardar a "ponte do arco-íris" que um bofe negão de olho azul? É a Vera Verão de Asgard!