19 dezembro 2008

4.000

No site tem uma nota do Sidney sobre a marca das quatro mil resenhas que ultrapassamos hoje. Certamente é ele quem pode melhor falar sobre essa área do site, pois todas as resenhas que saem semanalmente passam pelas mãos dele.

Os colaboradores do UHQ produzem os textos, mandam para ele que tem todo o trabalho de editar, revisar, conferir, muitas vezes ligar para a gente no meio da noite para ver se a informação está certa.

Nesses anos colaborando com o Universo HQ já fiz mais de 500 resenhas, dei uma reduzida no ritmo este ano, mas estou de volta nessa área que é minha principal colaboração para o site.

Assim, fico muito feliz de ver esse especial com tantos textos diferentes, inclusive com convidados de outros veículos de comunicação que também divulgam quadrinhos.

Então, como é uma atualização especial, abri esse post para os leitores comentarem as resenhas da semana aqui. Espero que gostem da seleção. Boa leitura. (A lista de reviews está aqui)

19 comentários:

Guilherme Kroll disse...

Na miha opinião, a melhor de todas é a do Sedução dos Inocentes, feita pelo Nobu. Simplesmente sensacional.

Zé Oliboni disse...

A minha preferida foi a do Comic Book Tattoo.

Victor disse...

Sidão, em minha modestíssima contribuição de 2 para essas 4 mil resenhas (nada comparável às 500 do Oliboni) eu é que agradeço a oportunidade de participar, mesmo de forma modesta, desse grande apoio à nona arte aqui no Brasil, que é o UHQ.

Thiago Augusto Corrêa disse...

E Zé, devo dizer, você é um homem bravo e valente. Ler a Marvel como você lê, tem que ter coragem.

Alias, comentando uma resenha de um tempinho já, que absurdo você dar zero para aquela revista especial do Massacre, com o desenho fenomenal do mestre!!! (O UHQ tem que fazer uma nota especial pra ele, ele não vale zero)

Eu lembro que quando li, até a página 13 mais ou menos nenhum personagem tinha a boca fechada, e todos mostravam seus 45 dentes na boca. Incrível. Como podem lançar um especial com isso??

Mas, por favor, como leitor também da Marvel, não pare de ler. Eu gosto de suas resenhas pra tambem ter um valente que continua lá lendo, como o Sidão disse uma vez em uma palestra que vi, cocô em papel jornal. (na época era o couche, mas os tempos mudam)

Álvaro disse...

Olá pessoal do Universo HQ não conhecia o trabalho de vocês, descobri há pouco tempo.

Parabéns pelo ótimo trabalho desenvolvido.

Zé Oliboni disse...

Thiago, a Marvel é um caso de amor antigo, daqueles que a gente não consegue largar nem nas fases ruins...

Além das resenhas, que são mais técnicas tem uma série de comentários mais pessoais sobre o que eu estou lendo no Blog do Pop Balões (http://popbaloes.blogspot.com). Visita lá, estamos atualizando todos os dias praticamente.

Jean C. disse...

Fala equipe do UHQ! Pessoal, venho aqui parabenizá-los por mais um ano de trabalho, foram muitas notícias e resenhas dando uma visão geral da nona arte aqui e no mundo. Por isso parabéns mesmo!! Eu li algumas resenhas e concordo que o Burne Hogarth com seu Tarzan é incrível mesmo, são belos e dinâmicos desenhos. Só não entendi o porque de ocultar tanto a nudez, será que era pra não ser um trabalho polêmico? Vai entender.

Abraços...

Anônimo disse...

Quantidade de resenhas não diz nada. Qualidade da informação é que diz tudo. E nisso o Universo HQ deixa a desejar.

Marcelo Naranjo disse...

E, sem dúvida, ANÔNIMO, você é a pessoa mais qualificada pra falar isso, não é mesmo? Aliás, você leu as resenhas pra falar algo? Nossa, acho que leu e não entendeu, né? Tudo bem. Tente de novo, com um dicionário ao lado.
Abraços, ANÔNIMO!

Victor disse...

Parabéns ao blog UHQ! Todo blog que se preza, que tem fama e qualidade, tem um "griefer"! "Griefer" é o nome que se dá a uma pessoa que, nos comentários de um blog, usa do anonimato para esculhambar e criticar, por despeito, inveja e mediocridade. É um sujeito que se acha esperto mas faz papel de ridículo. Ele critica o blog, mas esquece que só pode comentar porque o proprietário do blog é generoso o suficiente para permitir comentários anônimos e não pré-censurados. Adoro "griefers", pois na sua atuação evidenciam que a inveja é o melhor sinal de sucesso. Parabéns blog do UHQ!

Zé Oliboni disse...

É difícil conversar sobre qualquer coisa com alguém que nem tem coragem de falar o próprio nome. Mas obrigado por visitar sempre o site. O fato de você se dar ao trabalho de entrar no blog e falar gratuitamente mal da gente já é um sinal que você está constantemente acompanhando o Universo HQ.

Agora a próxima vez que quiser criticar algo, seja homem, diga seu nome e aponte suas críticas de forma embasada e bem estruturada, você pode aprender a fazer isso, por exemplo, lendo as resenhas do UHQ.

Guilherme Kroll disse...

Pq todo mundo que vem tacar pedra sem fundamento posta como anônimo?

Sidney Gusman disse...

É verdade, Anônimo. Talvez seja por isso que nossos colaboradores escrevem para diversos veículos, são freqüentemente citados em quartas-capas de lançamentos, são convidados para prefaciar obras e ministrar palestras etc.

Bem diz aquele ditado de pára-choque de caminhão: a inveja é uma merda!

Amalio Damas disse...

Gente, o anônimo conseguiu o que queria, chamar a atenção pras idiotices que ele escreveu. NO mínimo ele está dando pulinhos de alegria na frente da tela do computador. Primeiro que o cara não é homem, nem gay, o cara é um desses enrustidos que até na internet não tem coragem de assumir. Segundo que uma ignorada no cara, fará com que ele suma daqui de vez. Terceiro, a quantidade de recados a favor, desqualifica um sujeito desses de cara. Desculpem me intrometer no assunto, mas vocês não merecem nem gastar as palavras para responder um otário desses. Parabéns novamente pelo feito histórico e pela qualidade das resenhas, que são apreciadas pela maioria das pessoas que sabem ler e interpretar textos. Os outros são apenas anônimos enrustidos e analfabetos e bota anal nisso.

Guilherme Veneziani disse...

Prezados,

O reconhecimento do bom trabalho de vocês é notório. Disso não há dúvidas. Parabéns pelas 4 mil resenhas!

Feliz Natal e ótimo ano novo a todos!

Abraços

Guilherme

Ivan Linares disse...

Gostaria de colocar dois pontos aqui.

O primeiro é sobre a resenha do lançamento da edição encadernada de Starman: uma coisa é lançar uma edição primorosa em capa dura e papel cuchê de um material consagrado como Sandman, garantia de venda certa. Outra é dar o mesmo tratamento a um relativo desconhecido. Sessenta e dois reais é coisa triste para um assalariado como eu. Queria continuar a série além das catorze histórias que já tenho, mas cadê a grana? Certas megalivrarias conseguem vender com desconto, mas lojas menores, não. Gostaria de comprá-la na livraria de uns amigos meus, que tem um bom acervo de HQs -- acho um "dumping" danado essa prática de Saraiva, Cultura e similares. Então, não vou comprar.

Qual é o problema com o papel "livro" tradicional, a capa cartonada? Edições similares nesse formato custam pelo menos vinte reais a menos, se não mais! Papel cuchê cheira bem, é brilhante, mas pouco mais que isso. Eu dispenso (não é à toa que o pessoal se volta para escaneações de revistas como alternativa)!
(continua...)

Ivan Linares disse...

(...continuação)

O segundo ponto que queria colocar é até uma sugestão de pauta, embora talvez não seja muito a praia do UHQ, mais centrado nos "States" e na Europa: venho notando que as séries japonesas publicadas aqui não vêm conseguindo manter os leitores sempre que passam por um período de interrupção para alcançar a série que ainda está sendo publicada por lá.

Por aqui já caíram Vagabond, Evangelion (essa até que agüentou um pouco, com três "idas e paradas", mas as novas edições chegaram por lá no Japão e até agora nem um aviso da editora daqui), Blade, da Conrad, e Éden, da Panini (quem souber de mais, pode completar a lista).
A questão é que o pessoal parece não agüentar esperar e parte pra ler outra coisa (sacrificando a grana do mês para HQs, não podendo comprá-las quando finalmente chegam), ou abandona a leitura de HQs.

O que as editoras planejam fazer nesse campo? No Japão ao menos há as revistas regulares em papel barato onde saem as histórias, que servem para manter o interesse na série até saírem as coletâneas (normalmente a cada nove meses, acho).
Não sei se há disponibilidade financeira para isso por aqui, mas há algumas revistas aqui que um dia alcançarão suas matrizes, e elas podem ter o mesmo fim de suas irmãs. Algo deve ser feito por quem publica(imaginei a colocação das páginas digitalizadas na página de internet das editoras, à medida que fossem saindo na edição de papel fuleiro original, mas imaginei também que os leitores daqui iam ficar com as versões computadorizadas, sem comprar nas bancas).

Victor disse...

Os quadrinhos nacionais continuam caros em relação aos originais. O encadernado do Starman da Panini custa R$ 62,00, tem 256 páginas e 9 histórias. O Omnibus original tem 448 páginas, 17 histórias, e custa US$ 31,49 (na Amazon), o que pela cotação de hoje é R$ 75,00. Ou seja, o leitor americano paga menos por muito mais conteúdo do que o brasileiro. (claro, se alguém do Brasil comprar o Omnibus, tem que pagar o valor da remessa, o que torna salgado, mas estou analisando o consumidor de lá... se bem que, mesmo com o valor da remessa, o custo/benefício para o brasileiro que arriscar a gastar essa grana, vai ser maior que comprar o da Panini). É dose.

Eduardo Nasi disse...

Preço é aquela velha história: não gostou, não compra.

Mas vale lembrar que, a não ser que você queira agir como o Ivan e comprar em uma livraria específica, esses preços de álbuns podem ser bastante amenizados com uma pesquisa de preço. Não paguei nem R$ 50 pelo Starman, e tive descontos consideráveis com Che, O Pequeno Príncipe, Surfista Prateado e até com As tiras do Homem-Aranha 2. Não são só as grandes redes que dão desconto, e aí vai da disposição que cada um tem de procurar e pesquisar o melhor lugar pra comprar.