31 julho 2011

Melhores e piores de julho

Com o fim de julho, está na hora de a equipe do Universo HQ eleger o que melhor e pior leu no mês. Desta vez, ficaram de fora Zé Oliboni, Sérgio Codespoti, André Sollitto e Ricardo Malta Barbeira.

O campeão de indicações, com três, foi Quando eu cresci, da Ática.

Vale lembrar: as opiniões são pessoais e não precisam ser sobre um lançamento do mês.

Não há limite para as indicações dos melhores, que não são listados necessariamente em ordem de preferência; e nem pros piores.

Sidney Gusman

Melhores: Na colônia penal (Quadrinhos na Cia.);
Projeto Marvels (Panini);
Quando eu cresci (Ática);
Curtas e escabrosas (Devir);
Diário de um casal (D_Leite);
A balada de Johnny Furacão (Flaneur);
Tarzan - A volta do rei das selvas (Devir);
Em busca do pássaro do tempo, escrito por Serge Le Tendre e desenhado por Régis Loisel, com os álbuns O meu amigo Javin e O livro dos deuses (Asa, em parceria com o jornal Público);
Os Smurfs - O Smurf repórter (L&PM);
Vácuo – Capítulo 1 (webcomic);
Os três mosqueteiros (Salamandra).

Pior: Marvel Terror # 2 (Panini);
Cowboys & Aliens (Record).

Marcus Ramone

Melhores: Homem-Aranha # 114 (Panini);
Vertigo # 19 (Panini);
Chibata (Conrad);
Sábado dos meus amores (Conrad);
100 Balas - Volume 4 (Panini);
100 Balas - Volume 5 (Panini);
Clássicos do Cinema - Turma da Mônica # 26 - Coelho de Ferro (Panini);
Tio Patinhas Férias # 6 (Abril);
Pato Donald # 2396 (Abril);
Disney Gol # 3 (Abril);
Bidu arrasando! (L&PM);
Chico Bento # 54 (Panini).

Pior: nenhum

Marcelo Naranjo:

Melhores: Basilisk #1 (Panini);
Clássicos do Cinema Turma da Mônica - Coelho de Ferro (Panini);
Garra Cinzenta (Conrad);
Tarzan - A volta do rei das selvas (Devir).

Pior: nenhum.

Guilherme Kroll Domingues

Melhores: Quando eu cresci (Ática);
Promessas de amor a desconhecidos enquanto espero o fim do mundo - Limbo (independente);
Promessas de amor a desconhecidos enquanto espero o fim do mundo - Underground (independente);
Gen - Pés descalços # 1 (Conrad);
O Senhor das Histórias (Nemo);
Ciranda Coraci (Nemo).

Pior: nenhum

Eduardo Nasi

Melhores:
Arzach (Nemo);
Ex-Machina - Volume 5 - Fumaça e Fogo (Panini);
Flex Mentallo # 1 a # 4 (DC/Vertigo).

Pior: Sandman apresenta - As Fúrias (Panini).

Delfin

Melhores: Supergod, de Warren Ellis (Avatar);
M, de Jon J. Muth (Abrams);
Flashpoint # 3 (DC);
To Riverdale and back again (Archie);
JLA - The 99 (DC/Teshkeel).

Pior: Tantrum, de Jules Feiffer (Fantagraphics).

Lielson Zeni

Melhores: Mágico Vento # 41 (Mythos);
Na colônia penal (Quadrinhos na Cia.);
Três sombras (Quadrinhos na Cia.);
Groo - A grande crise (Mythos);
Jonah Hex - Os bons morrem jovens (Panini);
Loveless - Terra sem lei - A queda de Blackwater (Panini);
Gen - Pés Descalços # 1 (Conrad);
Docteur Mystère # 2 (Mythos);
Celluloid: an erotic graphic novel (Fantagraphics).

Pior: A sombra de Batman # 1 (Panini).

Diego Figueira

Melhores: Quando eu cresci (Ática);
Mônica #54 (Panini);
Puny Parker - Terceira temporada (webcomic).

Pior: nenhum.

Ronaldo Barata

Melhores: Bando de Dois (Zarabatana);
The Umbrella Academy - Dallas (Devir);
O Cabra (Papel A2).

Pior: nenhum.

Marcelo Santos Costa

Melhores: Almas Públicas (Conrad);
Bórgia - Tudo é Vaidade (Conrad);
Batman & Robin - Batman Reborn (DC Comics).

Pior: nenhum.

Liber Paz

Melhores: Celluloid: an erotic graphic novel (Fantagraphics);
Beasts of Burden - Animal Rites (Dark Horse);
Os mortos-vivos – Volume 1 - Dias passados (HQM);
Os mortos-vivos – Volume 2 - Caminhos trilhados (HQM);
Os mortos-vivos – Volume 3 - Segurança atrás das grades (HQM);
Os mortos-vivos – Volume 4 - Desejos carnais (HQM).

Piores: Sandman apresenta – As Fúrias (Panini);
X-Men Widescreen # 1 (Panini);
Demolidor: Amarelo (Panini).

20 comentários:

Eduardo Nasi disse...

Como venho tentando fazer todo mês, aí vão observações rasteiras sobre as escolhas.

A primeira é que este foi um mês de poucos quadrinhos pra mim, mas com duas leituras relacionadas aos quadrinhos que valem a menção: Supergods, de Grant Morrison, resenhado em http://www.universohq.com/quadrinhos/2011/review_Supergods.cfm, e Nada me faltará, mais uma ótima novela da safra literária de Lourenço Mutarelli.

Dito isso: Flex Mentallo foi uma imposição de Morrison, porque é a versão em HQ do seu livro, e várias observações de Supergods foram postas em prática antes na HQ. Agora a DC vai relançar a série (que ficou proibida por anos) - http://t.co/w7MTRv4 - o que sempre dá a chance de vermos uma edição nacional.

Arzach é um álbum de estreia da Nemo. Devo dizer que cheguei na Cultura para comprar meu exemplar e me surpreendi: achei que era a edição europeia, tamanho o cuidado gráfico, a capa dura etc.

E esse Ex-Machina eu tinha esquecido dele, pulado e tal. Achei, li e, de novo, a série reforçou seu posto de minha favorita do Vaughan.

No meio disso tudo, sobrou pra As Fúrias o posto indigno de pior do mês. A arte de Bolton por si só não mereceria, é bonita e tal. Mas o roteiro de Mike Carey é ruim de dar dó. É um grande pastiche de Sandman, uma pasteurização de ideias que eram bem melhor elaboradas por Gaiman. Não dá. O mundo não precisa de novas histórias de Mike Carey.

Delfin disse...

Eu agora.

Vou começar com o pior do mês, porque pus na vala comum dos rejeitados mensais justo Jules Feiffer. Uma edição da Fantagraphics que inclusive tem prefácio do Neil Gaiman. Tava em promoção no site da editora e levei. Li o prefácio primeiro (sou desses) e percebi que Gaiman tava TODO cheio de dedos pra falar algo. De sobreaviso, eu, que gosto muito do trabalho do Feiffer, um dos mestres americanos do cartunismo, fui ler a história de um homem que se torna criança novamente. E, devo dizer: é CHATO. Chato sem dó. Demorou pra eu vencer a história e, apesar de achar algumas coisas sacadas ali, não tem jeito: achei um porre. E aí, amigo, não tem jeito: piores do mês. Nem que seja pra um monstro sagrado como o Feiffer. Até aí, uma vez eu coloquei o Mutarelli, por motivos muito diferentes, como pior do mês. Um dia conto o porquê.

Os melhores agora.

O Nasi não botou Supergods, do Morrison, porque é um livro sobre, e não de, quadrinhos. Mas, acompanhando as anotações dele na comunidade Kindle, da qual agora faço parte, fiquei atiçado a reler uma mini muito intrigante do Warren Ellis, chamada justamente Supergod, da Avatar. Com capas do fodão de Mogi, Felipe Massafera, é a história do destino da humanidade desde que, no século XX, ela se propôs a criar salvadores superpoderosos assemelhados a deuses. É uma série, como várias do Ellis pela Avatar, muito polêmica, mas que tem conceitos bons demais para ser ignorada. O bacana é que o logo tem uma coroa de espinhos e, depois de ler, você fica parando para pensar o motivo. Leia. Isso era algo bom de alguém trazer pro Brasil, aliás. Devir? Gal?

Flashpoint está aqui por uma questão de coerência: disse tudo aquilo mês passado e continuo com a mesma posição. Não pus nenhum tie-in este mês porque todos valem a pena (talvez o mais chato seja o da Lois Lane, mas talvez porque estejam tornando a Lois um porsonagem cada vez menos interessante). Maxissérie BEM bacana e integrada, como há muito a DC não conseguia fazer. Fundamental para os "New 52".

JLA/The 99. Que raios é isso? É um crossover da DC com a Teshkeel, maior e mais bem sucedida editora de heróis árabe do mundo. Os tais "99" são um grande grupo de heróis que servem como modelo de comportamento ao jovem mundo árabe. Uma decisão arriscada (a de usar heróis para isso), mas extremamente bem sucedida. Um grupo de investidores MUITO forte está na parada, para que o mundo ocidental mude seu jeito de ver o mundo islâmico. Tanto que desenhos animados já estão sendo produzidos (em breve estrearão na Europa as aventuras dos "99") e uma segunda temporada (ambas com 26 episódios) já está em pré-produção. A porta de entrada do mundo ocidental aos 99 foi esta mini em 3 partes, com a participação dos heróis DC. Muita grana deve ter sido envolvida pra DC topar (basta lembrar do caso de censura na DC ocorrido no mês passado), mas, no final, é uma boa história, com uma visão do mundo árabe muito moderna e bacana. Recomendo mesmo. E recomendo também às editoras que estejam procurando um material sólido de heróis para publicar que parem de mirar só nos EUA e na Europa. Há coisas boas acontecendo em outros lugares. Quem aposta? Devir? Online? Alguém?

M, do Jon J. Muth, é a compilação da minissérie em 4 partes que ele publicou em 1992 pela Arcane/Eclipse. Recria o clássico filme "M", de Fritz Lang, com toda a personalidade que apenas alguém como Jon J. Muth, um poeta dos quadrinhos ilustrados (lembram de Moonshadow?), poderia conceber. É bonito e doído.

Por último, To Riverdale and back again. É uma adaptação do piloto de uma série da NBC que nunca vingou, trazendo Archie (aquele mesmo, dos desenhos animados dos 60s) 15 anos para o futuro, nos anos 1980. "Eles cresceram?", você me perguntaria, e eu diria que sim, quase 30 anos antes da Mônica e da Luluzinha. É uma história bacaninha, vista aos olhos do tempo, mas devo confessar que está aqui muito mais para que eu pudesse homenagear o desenhista, pra mim ou mestre, que morreu recentemente: Gene Colan.

Vai em paz, Gene.

Anônimo disse...

DELFIN

Queria saber qual foi esse caso de censura na DC.

Abraço,

Ricardo Delfin (não, nós não somos irmãos)

Marcelo Naranjo disse...

Como fã de Joe Kubert, não poderia deixar de colocar o Tarzan entre minhas melhores leituras. Tenho boa parte da coleção da Ebal com essas HQs, além do saudosismo, a narrativa gráfica desse autor é poderosa.

O mangá "Basilisk" é uma espécie de Dragon Ball - ou Naruto, se preferir, com lutas e mais lutas - mas com personagens pra lá de estranhos e bizarros, lembrando até as esquisitices de Suehiro Maruo (O Sorriso do Vampiro, Ero-Guro, da Conrad). Bem doido, bem legal.

Esse "Coelho de Ferro" está um barato, com ótimas tiradas e até a música antiga do Homem de Ferro, que fala que ele é "lenha pura".

"Garra Cinzenta" é um clássico do quadrinho nacional. Estudiosos, colecionadores e apaixonados pelo assunto não devem perder. Tomara que a Conrad venha com novas obras do gênero.

Gostaria muito de ter lido "Quando eu cresci", mas ficou para o próximo mês.

Infelizmente, já há algum tempo não consigo acompanhar as mensais de super-heróis, além de ficar caro comprar tudo, o que tenho está na pilha de "atrasados". Uma hora chego lá. E também sei que não estou perdendo grande coisa.

Aliás, prioridade de leitura, antes disso, são os títulos Vertigo da Panini, isso sim, vale a pena comprar.

Delfin disse...

Ricardo, eu comentei sobre isso aqui no blog mesmo:
http://universohq.blogspot.com/2011/06/uma-superencrenca-para-dc-pelo-menos-e.html

Anônimo disse...

DELFIN,

Obrigado.

Complicada essa questão de censura. E as editoras nunca admitem o real motivo. Lembro do caso de X-STATIX com a Lady Di e a série mutante THE BROTHERHOOD, cancelada depois do 11 de setembro. O Joe Quesada negou qualquer relação com o ataque, apesar da revista tratar de um grupo de terroristas mutantes.

Aproveito pra deixar a dica de um livro: "The Comic" (Dark Horse) do Jerry Robinson. Trata da história das tiras de 1895 a 2010. Mais incrível é o preço que se paga por um livro como esse (cerca de 25x40cm, capa dura, colorido): US$26.

Abraço,

Ricardo Delfin

Lz disse...

Explicando as minhas escolhas:
MV 41 - esta é uma excelente edição de ficção científica passada no século XIX. coisa fina mesmo. sem falar que adoro a arte do Sicomoro.
Na colônia penal - esse álbum francês capta com competência alguns dos principais temas dessa novela de Franz Kafka, e arte é de encher os olhos.
Três sombras - um dos melhores do ano pra mim até aqui.
Groo - a grande crise - terei errado? nope! Groo é infame, divertido e demais. queria ter Groo todo mês pra ler.
Jonah Hex - o bom western da DC comics em mais um volume. vale muito a pena.
Gen - Jesus, quanta desgraceira pruma família só. e ainda tem mais 9 volumes disso. não sei se aguento emocionalmente tudo isso.
Docteur Mystère - menos denso que a Liga extraordinária, e por isso, muito mais leve e engraçadinho. e a arte de Filippucci é um encanto.
Celluloid - pornografia de alto padrão. Dave McKean mostrando que é muito mais que o capista de Sandman.
A sombra de batman - Jesus, que gibi insuportável. se salva só a história da Batwoman, que enche os olhos mas não é nenhum primor de roteiro nessa primeira edição.

Eduardo Nasi disse...

Tou pensando em parar com os comentários. Depois que a gente começou, os leitores nunca mais postaram os melhores do mês deles! ;)

Delfin disse...

É muito cômodo pros leitores, apenas ler, ler, ler. A gente tirou todo o poder de dedução deles? :)

Guilherme Kroll disse...

Chegou minha vez:
Quando eu cresci (Ática); história linda, arte soberba, roteiro matador. Imperdível.

Promessas de amor a desconhecidos enquanto espero o fim do mundo - Limbo (independente)e Promessas de amor a desconhecidos enquanto espero o fim do mundo - Underground (independente):
Pedro Fraz compos uma história refinada, uma das melhores coisas que eu li esse ano.
Gen - Pés descalços # 1 (Conrad): quem ainda não leu, leia.
O Senhor das Histórias (Nemo) e
Ciranda Coraci (Nemo): boas HQs juvenis de aplicação escolar. Vale a pena presentear seu filhos ou outro leitor em formação que você conhece.

Thiago A. disse...

Pessoal, podem continuar comentado, os cometários de vocês são muito importantes(pelo menos pra mim é), pq dá uma direção do que ler ou não, mas comentem com moderação! :)

Agora falando sério, será que os mortos vivos emplaca dessa vez?, acho que a panini poderia adquirir os direitos da série, pq HQM em termos de publicação de quadrinhos é uma piada.

Antônio Dias disse...

Melhores:
1- Os maiores clássicos do Thor de Walt Simonson 1 e 2 – Já tinha ouvido falar muito bem da fase do Simonson à frente do Deus do Trovão, mas agora que li virei muito fã. São histórias épicas de honra e coragem. Simplesmente fenomenal.
2- 100 Balas 5 e 6. – Sou um pouco desconfiado no que tange aos trabalhos do Azzarello (já li muita coisa que me decepcionou dele, inclusive Loveless, que começou muito bem, mas terminou muito mal), mas 100 balas é uma obra que se destaca bastante. Gosto cada vez mais da série. Tomara que ele não deixe a peteca cair.
3 - Vertigo 17 e 18. A revista Vertigo é meio inconstante. Algumas séries publicadas não valem o papel em que são impressas. Mas esqueço de todos os pontos baixos da revista quando leio Scalped. A melhor série dos últimos anos, junto com a próxima na minha lista das melhores. Jason Aaron às vezes faz o Garth Ennis parecer um adolescente cheio de hormônios...
4 - Sleeper, do Ed Brubaker. Alguém de vocês do Universo HQ já leu essa série? Perfeito para quem gosta de espionagem. Importei os encadernados originais e não consegui parar de ler. Uma edição mais fantástica que a outra e o final da primeira temporada é memorável, me deixou sem reação durante alguns minutos. Entra no meu top 10 de todos os tempos.

Piores:
Procurado, do Mark Millar - Até que começou legalzinha, mas que final foi aquele? Quem o Millar pensa que é ? Uma das coisas mais babacas que já li nos quadrinhos.

Eduardo Roque disse...

"O mundo não precisa de novas histórias de Mike Carey." Putz, cheguei a essa conclusão desde q li a malfadada mini "Pretérito futuro"(elogiada nos reviews pelo Oliboni ou Nasi, ñ lembro) q foi 1 dos maiores desperdícios d grana da minha trajetória d quase 30 anos como leitor do Bat e d HQs em geral. Acho q pior q akilo só "Pesadelos Soturnos(nem o título salva) em Batman Extra 9 a 11. Mas colocar o Widescreen dos X-Men entre os piores só c for pela 2ª metade(escrita por 1 tal d Mike Carey) mas mesmo q a HQ do Morrison ñ fosse isso tudo - e é bem bacana - só o "Manifesto Morrison" e o formato diferenciado valeriam a compra

Charles disse...

-Os Maiores Clássicos de Thor Vol 3 e 4 : e se tivesse relido o 1 e 2 estariam aqui também. Walter Simonson é o autor definitivo de Thor e todos asgardianos.

- Homem Aranha Noir: pensei que seria apenas uma homenagem noir, mas a história é bem bacana. A arte ajuda bastante, mas o melhor é o preço/qualidade editorial. Felizmente já anuciaram X Men Noir.

-Fierro #1 : fiquei cabreiro com o preço por uma revista só com histórias curtas, mas é muito boa. Espero que não fique só na 1.

-Três Sombras: muita gente fala de vertigo, quadrinho adulto m cuja classificação se baseia por possuir sexo, palavrões e viceras pra todo lado. Três Sombras não tem isso. Bem pelo contrário. Mas acho que só leitores realmente maduros conseguiram tirar o melhor dela. E é foda! Demais podem classificá-la apenas como uma história bobinha de um pai fugindo com filho.

-Scott Pilgrim #1, #2 e #3: as alucinadas histórias bizarras de Scott Pilgrim me renderam muita diversão. E a leveza necessária após Tres Sombras.

-Jonah Hex Apenas os Bons Morrem Jovens: não explicar bem o por quê eu gosto tanto dessa série do Hex. Não são histórias extraordinariamente originais ou geniais. Não apenas histórias simples, curtas, independentes (de uma cronologia ou história maior),divertidas e bem desenhadas com o pistoleiro casca grossa. Acho que sei de onde vem parte desse meu gosto: acabo de lembrar que era exatamente isso que me fazia gostar do Wolverine de Clamerament, Peter David e John Buscema no inicio do seu título solo. Nada de reinventar a roda, os autores só a fazem rodar livre e direito.

-Xampu: sobre este, basta concordar com tudo o que a crítica já falou.

-A Divina Comédia: confesso que achei meio enxuto (a arte e a própria história), mas não dá pra negar que é uma boa hq.

Fora as hq's li também O Fim da Infancia de Arthur C Clark, e gostaria de ser um senhor supremo e tornar essa numa leitura obrigatória.

Pior: Justiceiro As meninas de vestido branco: a história já sai na desvantagem por seguir a EXCELENTE Valley Forge de Garth Ennis (que é foda, foda, foda!), assim como todas antecessoras do autor. Então do morno, com muitos dialogos e cenas forçadamente apelativos, ela cai psicolélicamente quando o Justiceiro começa a arrebentar paredes de tijolos e vidraças com a cabeça. Eu pensei: "Pqp! Que bizarrice!" virava a página e via outra ainda pior. TODO CASO, pelo preço/qualidade editorial, vale a pena, no fim das contas é uma história do Justiceiro (quebra paredes ou não), e quem gosta do personagem pode tirar alguma diversão. Aé eu tirei.

Comprei a Simples Arte de Matar Vol II, do Chandler e ainda estou me divertindo com seus contos.

Charles disse...

Thiago, assim como todos os leitores dos Mortos Vivos, editado pela HQM, partilho da tua angústia. Já estava prestes a comprar The Walking Dead Compendiun que reune todas edições da #1 a #48!! Nada menos que oito encadernados da HQM, e que sai por R$ 138,00. Na verdade, ainda estou inclinado a comprá-la, o que me segura mais é vaidade de colecionador, pois apesar da publicação conta-gotas, gosto dos encadernados da HQM e torço muito pra que ele parem de prometer e comecem a publicar decentemente. Ou passem a bola adiante.
Outro fator que me faz querer comprar em portugues é que TODA familia da minha mulher leu os 4 primeiros volumes e se viciou na história. E volta e meia me pedem continuação.

Todo caso, se não publicarem mais nenhum encadernado até o fim do ano, começarei a importar. E só porque sou trouxa e não leio a série via scan.

Mas falando de coisas boas: Cripta vol 2! URRÚ!

Falei com o pessoal da Gal e eles me responderam que Blazing Combat deve ser lançado logo.

Espero que com a conclusão de The Fury (hellboy) a mythos lance em breve outro encadernado do capetão.

----------------
Sobre os melhores do mês esqueci de mencionar nada menos que O Fantasma: Sempre aos Domingos. Em especial o arco "A volta dos piratas do céu" que é simplesmente ótimo!

Igor Veras disse...

Como leitor assiduo de vcs irei colocar minhas leituras tambem:
- Ghost World, muito interessante, apesar de ser uma historia meio datada, eu diria que e um scott pilgrim mais acido e menos caricato.
- Homem-Animal do Grant Morrison volumes 1 e 2(editora Brain Store): Fantastico!!Pra quem gosta de ficcao cientifica, talvez seja uma das melhores obras de grant morrison.Bem que merecia uma publicacao de luxo pela panini.
Por influencia do site estou comecando a ler Magico Vento e no proximo mes posto minhas impressoes.

Cássio Nandi disse...

Rapazeada, que conhecimento forte vcs tem sobre quadrinhos hein.

Eu vou deixar meu comentário singelo.

Vi gente falar de Supergods, uma versão em livro, é isso? Bom, eu soh conheci a HQ e achei f0d4

Eduardo Nasi disse...

Oi, Cássio,

Se você seguir o link http://www.universohq.com/quadrinhos/2011/review_Supergods.cfm vai entender mais sobre Supergods. Não é HQ nem adaptação, é um livro sobre super-herois.

Eduardo Roque disse...

Acabei d pegar a coleção Tomorrow Stories numa promo da Comix e d ler Cap América - Soldado Invernal e valeram cada centavo. A propósito, o UHQ vai resenhar essas e "A ameaça vermelha"?

Eduardo Roque disse...

E Projeto Marvels tb