15 novembro 2007

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Ontem terminei de ler o último livro do Jô Soares, Assassinatos na Academia Brasileira de Letras (Companhia das Letras, 2005).

Gostei da obra. É inferior aos outros dois romances do autor, O Xangô de Baker Street (sensacional!) e O Homem que Matou Getúlio Vargas (duca!), mas, ainda assim, é agradável de ler.

O clima noir, as piadas sutis, o mistério sobre o assassino e, claro, a iconoclastia que sempre pautou os textos do Jô Soares agradam.

Como fã confesso da nona arte, nesse livro ele fez muitas referências aos quadrinhos. Há citações sobre publicações clássicas do gênero como O Tico-Tico; imagens de personagens dos gibis, como os Sobrinhos do Capitão (com direito a um parágrafo inteiro versando sobre eles); e até Reco-Reco, Bolão e Azeitona mereceram algumas linhas. Ou seja, muito do que fazia sucesso nos anos 1920, época em que se desenrola a trama do livro.

Em algumas passagens do romance, personagens estão lendo tiras de jornal ou revistas em quadrinhos. Alguns deles até conversam sobre o assunto e se dizem admiradores dessa arte.

Enfim, Assassinatos na Academia Brasileira de Letras tem muitos méritos, mas, por motivos óbvios, eu não poderia deixar de destacar os que se referem aos quadrinhos.

2 comentários:

Mauro disse...

http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/LiteraturaInfantil/jucaechico/jccapa1.htm

veja este link se você leu o livro....

Marcus Ramone disse...

Pois é, o livro "Juca e Chico" têm um papel fundamental na trama. :-)
Mas não vou abrir o bico pra não estragar a surpresa de quem não leu ainda a obra do Jô.
Valeu pelo link, Mauro.